frase do dia

A maior vaidade de um ser humano é crer que não existe alguém melhor do que ele, e assim, se considerar imprescindível.
(Anônimo)

 

 

 

 

"NUNCA LI NADA IGUAL"

Carta de Gilberto Geraldo Garbi para Lula.

Gilberto Geraldo Garbi foi um dos alunos classificados a seu tempo como UM DOS MELHORES ALUNOS DE MATEMÁTICA que já haviam adentrado o ITA.

Depois de graduado, desenvolveu carreira na TELEPAR, onde chegou a Diretor Técnico e Diretor Presidente, sendo depois Presidente da TELEBRAS.

A CAMINHO DOS 99,9999995%

( Gilberto Geraldo Garbi )

Há poucos dias, a imprensa anunciou amplamente que, segundo as últimas pesquisas de opinião, Lula bateu de novo seus recordes anteriores de popularidade e chegou a 84% de avaliação positiva. É, realmente, algo "nunca antes visto nesse país" e eu fiquei me perguntando o que poderemos esperar das próximas consultas populares.

Lembro-me de que quando Lula chegou aos 70% achei que ele jamais bateria Hitler, a quem, em seu auge, a cultíssima Alemanha chegara a conceder 82% de aprovação.

Mas eu estava enganado: nosso operário-presidente já deixou para trás o psicopata de bigodinho e hoje só deve estar perdendo para Fidel Castro e para aquele tiranete caricato da Coreia do Norte, cujo nome jamais me interessei em guardar. Mas Lula tem uma vantagem sobre os dois ditadores:

aqui as pesquisas refletem verdadeiramente o que o povo pensa, enquanto em Cuba e na Coreia do Norte as pesquisas de opinião lembram o que se dizia dos plebiscitos portugueses durante a ditadura lusitana: SIM, Salazar fica; NÃO, Salazar não sai; brancos e nulos sendo contados a favor do governo.

Portanto, a popularidade de Lula ainda "tem espaço" para crescer, para empregar essa expressão surrada e pedante, mas adorada pelos economistas.

E faltam apenas cerca de 16% para que Lula possa, com suas habituais presunção e imodéstia, anunciar ao mundo que obteve a unanimidade dos brasileiros em torno de seu nome, superando até Jesus Cristo ou outras celebridades menores que jamais conseguiram livrar-se de alguma oposição…

Sim, faltam apenas 16% mas eu tenho uma péssima notícia a dar a seu hipertrofiado ego: pode tirar o cavalinho da chuva, cumpanhero, porque de 99,9999995% você não passa.

Como você não é muito chegado em Aritmética, explico melhor: o Brasil tem 200.000.000 de habitantes, um dos quais sou eu. Represento, portanto, 1 em 200.000.000, ou seja, 0,0000005% enquanto os demais brasileiros totalizam os restantes 99,9999995%. Esses, talvez, você possa conquistar, em todo ou em parte. Mas meus humildes 0,0000005% você jamais terá porque não há força neste ou em outros mundos, nem todo o dinheiro com que você tem comprado votos e apoios nos aterros sanitários da política brasileira, não há, repito, força capaz de mudar minha convicção de que você foi o pior dentre todos os presidentes que tive a infelicidade de ver comandando o Brasil em meus 65 anos de vida.

E minha convicção fundamenta-se em um fato simples: desde minha adolescência, quando comecei a me dar conta das desgraças brasileiras e a identificar suas causas, convenci-me de que na raiz de tudo está a mentalidade dominante no Brasil, essa mentalidade…

dos que valorizam a esperteza e o sucesso a qualquer custo;

dos que detestam o trabalho e o estudo;

dos que buscam o acesso ao patrimônio público para proveito pessoal;

dos que almejam os cabides de emprego e os cargos fantasmas;

dos que criam infindáveis dinastias nepotistas nos órgãos públicos;

dos que desprezam a justiça desde que a injustiça lhes seja vantajosa;

dos que só reclamam dos privilégios por não estar incluídos entre os privilegiados;

dos que enriquecem através dos negócios sujos com o Estado;

dos que vendem seus votos por uma camiseta, um sanduíche ou, como agora, uma bolsa família;

dos que são incapazes de discernir, comover-se e indignar-se diante de infâmias.

Pense a maioria o que quiser, diga a maioria o que disser, não mudarei minha

convicção de que este País só deixará de ser o que é – uma terra onde as

riquezas produzidas pelo suor da parte honesta e trabalhadora é saqueada

pelos parasitas do Estado e pelos ladrões privados eternamente impunes –

quando a mentalidade da população e de seus representantes for profundamente

mudada.

Mudada pela educação, pela perseverança, pela punição aos maus, pela

recompensa aos bons, pelo exemplo dos governantes.

E você Lula, teve uma oportunidade única de dar início à mudança dessa

mentalidade.

Você teve a oportunidade de tornar-se nossa tão esperada âncora moral,

esta sim, nunca antes vista nesse País.

Mas não, você preferiu o caminho mais fácil e batido das práticas

populistas e coronelistas de sempre, da compra de tudo e de todos.

Infelizmente para o Brasil você estava certo: para que se esforçar,

escorado apenas em princípios de decência, se muito mais rápido e eficiente

é comprar o que for necessário, nessa terra onde quase tudo está à venda?

Eu não o considero inteligente, no nobre sentido da palavra, porque uma

pessoa verdadeiramente inteligente, depois de chegar aonde você chegou,

partindo de onde você partiu, não chafurdaria nesse lamaçal em que você e

sua malta alegremente surfam. Mas reconheço em você uma esperteza

excepcional: nunca antes nesse País um presidente explorou tão bem, em

proveito próprio e de seu bando, as piores qualidades da massa brasileira e

de seus representantes.

Esse é seu legado maior: o de haver escancarado a lúgubre realidade de que

o Brasil continua o mesmo que Darwin encontrou quando passou por essas

plagas em 1832 e anotou em seu diário: "Aqui todos são subornáveis".

Você destruiu as ilusões de quem achava que havíamos evoluído em nossa

mentalidade e matou as esperanças dos que ainda acreditavam poder ver um

Brasil decente antes de morrer.

Você não inventou a corrupção brasileira, mas fez dela um maquiavélico

instrumento de poder.

Você é o sonho de consumo da banda podre desse País, o exemplo que os

funcionários corruptos do Brasil sempre esperaram para poder dar, sem

temores, plena vazão a seus instintos.

Você faz da mentira e da demagogia seu principal veículo de comunicação com

a massa.

A propósito, o que é que você sente, todos os dias, ao olhar-se no espelho

e lembrar-se do que diz nos palanques?

Você sente orgulho em subestimar a inteligência da maioria e ver que vale

a pena?

Você mentiu quando disse haver recebido como herança maldita a política

econômica de seu antecessor.

Você mentiu ao dizer que não sabia do Mensalão Mentiu quando disse que seu

filho enriqueceu através do trabalho Mentiu sobre os milhões que a Ong 13,

de sua filha, recebeu sem prestar contas Mentiu ao afastar Dirceu, Palocci,

Gushiken e outros cumpanheros pegos em flagrante Mente quando, para cada

platéia, fala coisas diferentes, escolhidas sob medida para agradá-las

Mentiu, mente e mentirá em qualquer situação que lhe convenha.

Você não moveu uma palha, em seis anos de presidência, para modificar as

leis odiosas que protegem criminosos de todos os tipos neste País sedento de

Justiça e encharcado pelas lágrimas dos familiares de tantas vítimas.

Jamais sua base no Congresso preocupou-se em fechar ao menos as mais

gritantes brechas legais pelas quais os criminosos endinheirados conseguem

sempre permanecer impunes, rindo-se de todos nós.

Ao contrário, o Supremo, onde você tem grande influência, por haver

indicado um bom número de Ministros, acaba de julgar que mesmo os condenados

em segunda instância podem permanecer em liberdade, até que todas as

apelações, recursos e embargos sejam julgados, o que, no Brasil, leva

décadas.

Isso significa, em poucas palavras, que os criminosos com dinheiro

suficiente para pagar os famosos e caros criminalistas brasileiros podem

dormir sossegados, porque jamais irão para a cadeia.

Estivesse o Supremo julgando algo que interessasse a seu grupo ou a suas

inclinações ideológicas, certamente você teria se empenhado de corpo e alma.

Aliás, Lula, você nunca teve ideais, apenas ambições.

Você jamais foi inspirado por qualquer anseio de Justiça. Todas as suas

ações, ao longo da vida, foram motivadas por rancores, invejas, sede pessoal

de poder e irrefreável necessidade de ser adorado e ter seu ego adulado.

Você tem dividido a nação, jogando regiões contra regiões, classes contra

classes e raças contra raças, para tirar proveito das desavenças que

fomenta.

Aliás, se você estivesse realmente interessado, em dar aos pobres, negros e

outros excluídos as mesmas oportunidades que têm os filhos dos ricos, teria

se empenhado a fundo na melhoria da saúde e do ensino públicos.

Mas você, no íntimo, despreza o ensino, a educação e a cultura, porque

conseguiu tudo o que queria, mesmo sendo inculto e vulgar. Além disso,

melhorar a educação toma um tempo enorme e dá muito trabalho, não é mesmo?

A Imprensa faz-lhe pouca oposição porque você a calou, manipulando as verbas

publicitárias, pressionando-a economicamente e perseguindo jornalistas.

Você pode desdenhar tudo aquilo que aqui foi dito, como desdenha a todos que

não o bajulem.

Afinal, se você não é o maior estadista do planeta, se seu governo não é

maravilhoso, como explicar tamanha popularidade?

É fácil: políticos, sindicatos, imprensa, ONGs, movimentos sociais,

funcionários públicos, miseráveis, você comprou com dinheiro, bolsas, cotas,

cargos e medidas demagógicas.

Muita gente que trabalha, mas desconhece o que se passa nas entranhas de

seu governo, satisfez-se com o pouco mais de dinheiro que passou a ganhar,

em consequência do modesto crescimento econômico que foi plantado

anteriormente.

É esse, em síntese, o triste retrato do Brasil de hoje… E, como se diz na

França, "l´argent n´est tout que dans les siècles où les hommes ne sont

rien".

Gilberto Geraldo Garbi

 

 

 

 

 

PASSEIO SOCRÁTICO

Frei Betto

Ao viajar pelo Oriente mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos,

comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão.

Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares,

preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa,

mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente.

Aquilo me fez refletir: ‘Qual dos dois modelos produz felicidade?’

Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei:

‘Não foi à aula?’ Ela respondeu: ‘Não, tenho aula à tarde’. Comemorei: ‘Que bom, então de manhã você pode brincar,

dormir até mais tarde’. ‘Não’, retrucou ela, ‘tenho tanta coisa de manhã…’. ‘Que tanta coisa?’, perguntei..

‘Aulas de inglês, de balé, de pintura, piscina’, e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando:

‘Que pena, a Daniela não disse: ‘Tenho aula de meditação!’

Estamos construindo super-homens e super-mulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados.

Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica;

hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias!

Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito.

Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: ‘Como estava o defunto?’. ‘Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!’

Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?

Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual.. Trancado em seu quarto, em Brasília,

um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizi­nho de prédio ou de quadra!

Tudo é virtual. Somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. E somos também eticamente virtuais…

A palavra hoje é ‘entretenimento’. Domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador,

imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela.

Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres:

‘Se tomar este refrigerante, calçar este tênis, ­ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!’

O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo,

que acaba­ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose.

O grande desafio é começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal,

consumista. Assim, pode-se viver melhor..

Aliás, para uma boa saúde mental, três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.

Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral;

hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shoppings centers tem linhas arquitetônicas de catedrais

estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo.

E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas…

Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista.

Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas.

Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito,

entrar no cheque especial, sente-se no purgatório.

Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno…

Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa,

com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do Mc Donald…

Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: ‘Estou apenas fazendo um passeio socrático’.

Diante de seus olhares espantados, explico: ‘Sócrates, filósofo grego,

também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas.

Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia:

´Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz!"

Um forte abraço.

Estevão Camolesi

Visite nosso site:  www.estevaocamolesi.com.br

 

 

 

 

 

 

 

Todas as coisas, na Terra, passam…
Os dias de dificuldades, passarão…

Passarão também os dias de amargura e solidão…
As dores e as lágrimas passarão.

As frustrações que nos fazem chorar… um dia  passarão.
A saudade do ser querido que está longe,  passará.

Dias  de  tristeza…
Dias  de  felicidade…
São lições  necessárias que, na Terra,  passam, deixando no espírito imortal as experiências  acumuladas.

Se hoje, para nós, é um desses dias repletos de  amargura, paremos um instante.

Elevemos o pensamento ao Alto, e busquemos a voz suave da Mãe amorosa a nos dizer carinhosamente: isso também passará…

E  guardemos  a  certeza, pelas próprias dificuldades já superadas, que não há mal que dure para sempre.

O planeta Terra, semelhante a enorme embarcação, às vezes parece que vai soçobrar diante das turbulências de gigantescas ondas.

Mas  isso  também  passará, porque Jesus está no leme  dessa Nau, Segue com o olhar sereno de quem guarda a certeza de que a  agitação faz parte do roteiro
evolutivo da humanidade, e que um dia também  passará…

Ele sabe que a Terra chegará a porto seguro, porque essa é a sua destinação.

Assim, façamos a nossa parte o melhor  que pudermos, sem esmorecimento, e confiemos  em  Deus,

Aproveitando  cada  segundo, cada  minuto que, por certo… também  passarão…"

"Tudo passa… exceto DEUS!"

Deus é o suficiente!

(Emmanuel / Francisco Cândido Xavier )

 

 

 

Uma faxina na alma para começar a semana na luz

Como tudo na vida, a mente precisa estar sempre limpa e desintoxicada para poder encontrar espaço para o novo e para entrar em caminhos criativos.
Os nossos pensamentos ocupam espaços preciosos da mente e impedem que nossa intuição venha dar a sua contribuição nas nossas decisões e percepções.
Com a mente pesada, intoxicada, lenta e obsessivamente direcionada para situações (geralmente do passado) que teimam em repetir, repetir, repetir, criando um círculo vicioso onde ficamos presos, sem movimentos, sem força e sem coragem de reagir, nos tornamos robôs a mercê das imagens repetitivas que a mente cria para dar forma a uma emoção, a um padrão ou crença.
Quem já não viveu um relacionamento envenenado com uma pessoa possessiva ou ciumenta ou mesmo desorganizada emocionalmente? Este sofrimento pode estar sendo representado pela sua mente com a imagem de uma mulher sendo chicoteada, amarrada num pelourinho, sem poder falar, reagir ou fugir. O sofrimento de um relacionamento doente e cruel pode estar criando na mente imagens de terror e de medo que depois vão surgir no corpo físico em forma de doenças.
Conviver com alcoólatras, com pessoas perversas e violentas, com drogados, com pessoas sem carinho, compaixão e respeito, pode ser uma forma de autopunição que acaba trazendo conseqüências desastrosas para ambas as partes.
A mente não tem filtros para entender o que é real e o que é apenas uma cena de filme ou uma foto de revista. Para ela tudo é real. Portanto, podemos dizer também que a violência divulgada pela mídia também impressiona a mente e faz com que estas imagens acabem nos pertencendo também, embora não sejamos nós os criadores delas.
Com a mente é preciso cautela, rigor, disciplina, limpeza e acima de tudo, beleza.
Para tal, sugiro que, nesta semana, você faça, todos os dias, ao acordar e ao deitar, este exercício de limpeza da mente.
EXERCÍCIO DE LIMPEZA DA MENTE
Sentada(o), olhos fechados, respire lentamente três vezes. E agora veja sair de todo o seu corpo, especialmente da área da cabeça, cobras e lagartos. Estes répteis representam seus pensamentos e desejos tóxicos. Veja ou imagine estes répteis sendo desintegrados por forças que vem do céu. Agora, imagine que sua mente é lavada com a água mais pura do Universo e sabendo que sua mente esta limpa e pronta para o novo, respire e abra os olhos.
Amo vocês.

Cristiane Pereira|AmericanAirlines®|Inside Sales Representative UK & Ireland

23-59 Staines Road , Hounslow, Middlesex ,  TW3 3HE , UK

Tel: +44 (0)208 577 4844|Fax: +44 (0)208 572 8646

cristiane.pereira@aa.com

www.aa.com

 

 

 

 

  Assunto: Otite repetida? Como proteger os filhos

Pesquisadores da Gran-Bretanha avaliaram centenas de crianças entre 1 e 6 anos de idade que tinham crises freqüentes de otite e sinusite. Ao procurarem atendimento medico, sempre lhes era receitada uma dose potente de antibióticos ate que a melhora do quadro se desse. Devido à facilidade de reapresentarem o problema, voltavam ao medico e a conduta se repetia.
Após estudos intensivos, as mães dessas crianças receberam a orientação de retirarem todos os derivados do leite de vaca da alimentação dos seus filhos (incluindo achocolatados, sorvetes, queijos etc) por um período de 1 ano para que uma boa avaliação fosse realizada. Para surpresa geral, 78% das crianças não mais apresentaram os quadros de otite e nem mesmo manifestações gripais corriqueiras que pudessem preceder o aparecimento de sinusite e as infecções de ouvido. Após essas constatações, foi proposta a utilização diária de vitamina D3 a essas mesmas crianças com manutenção de restrição aos laticínios. Pois bem, a melhora foi bem maior e elas passaram a desenvolver melhores condições de defesas imunológicas, de maneira geral.
O leite de vaca, embora muito rico em nutrientes, costuma ser a maior causa de alergias infantis e, com isso, grande facilitador do aparecimento de casos de rinite, sinusite, otite e bronquite.
Vale a pena atentar para isso.


http://www.sergiovaisman.med.br


Clique aqui se desejar remover seu e-mail desta lista

 

 

 

 

 

O GOVERNANTE ANTES DA POSSE

Nosso partido cumpre o que promete.
Só os tolos podem crer que
não lutaremos contra a corrupção.
Porque, se há algo certo para nós, é que
a honestidade e a transparência são fundamentais.
para alcançar nossos ideais
Mostraremos que é grande estupidez crer que
as máfias continuarão no governo, como sempre.
Asseguramos sem dúvida que
a justiça social será o alvo de nossa ação.
Apesar disso, há idiotas que imaginam que
se possa governar com as manchas da velha política.
Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que
se termine com os marajás e as negociatas.
Não permitiremos de nenhum modo que
nossas crianças morram de fome.
Cumpriremos nossos propósitos mesmo que
os recursos económicos do país se esgotem.
Exerceremos o poder até que
Compreendam que
Somos a nova política.
DEPOIS DA POSSE:
Basta ler o texto, DE BAIXO PARA CIMA….

 

 

 

 

 

– Comer a metade.

– Andar o dobro.

– E rir o triplo."

Parece simples, mas em verdade é o inverso do que se assiste na vida agitada e insana dos "civilizados"
ocidentais…

 

 

 

 

 

A Evolução da Educação:

Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação, datilografia…
Havia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas…

Leiam o relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada, comprei um produto que custou R$ 15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.
Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la.
Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender.
Por que estou contando isso?
Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda.
Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00
5. Ensino de matemática em 2000:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00.
Está certo?
( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00

7. Em 2010 vai ser assim:

Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder).
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00
E se um moleque resolver pichar a sala de aula e a professora fizer com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

– Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável:

“Todo mundo está ‘pensando’
em deixar um planeta melhor para nossos filhos…
Quando é que se ‘pensará’
em deixar filhos melhores para o nosso planeta?"

Passe adiante!
Precisamos começar JÁ!

 

 

 

UM GAROTO DE 102 ANOS

Um ocidental em visita à China ficou surpreso de ver a quantidade de velhos saudáveis, e,

curioso sobre os aspectos da milenar medicina chinesa,

indagou de um experiente médico qual o segredo para se viver mais e melhor.

Ouviu do mesmo a sábia resposta:



"É muito simples. É só você:

Oração para os que estão envelhecendo

Ó Senhor, Tu sabes melhor do que eu que estou envelhecendo a cada dia.
Sendo assim, Senhor, livrai-me da tolice de achar que devo dizer algo, em toda e qualquer ocasião.
Livrai-me, também, Senhor, deste desejo enorme que tenho de querer pôr em ordem a vida dos outros.

Ensinai-me a pensar nos outros e a ajudá-los, sem jamais me impor sobre eles, mesmo considerando com modéstia a sabedoria que acumulei e que penso ser uma lástima não passar adiante.
Tu sabes, Senhor, que desejo preservar alguns amigos e uma boa relação com os filhos, e que só se preserva os amigos e os filhos quando não há intromissão na vida deles. Permita-me só dar a minha opinião, se me for pedida.
Livrai-me, também, Senhor, da tolice de querer contar tudo com detalhes e minúcias e dê asas à minha imaginação para voar diretamente ao ponto que interessa.
Não me permita falar mal de alguém, por mais que eu julgue necessário.
Ensinai-me a fazer silêncio sobre minhas dores e doenças.
Elas estão aumentando e, com isso, a vontade de descrevê-las vai crescendo a cada dia que passa.
Não ouso pedir-Te o dom de ouvir com alegria a descrição das doenças alheias; seria pedir-Te muito.Mas, ensinai-me, Senhor, a suportar ouvi-las com paciência.
Ensinai-me a maravilhosa sabedoria de saber que posso estar errado em algumas ocasiões pois já
descobri que pessoas que acertam sempre são maçantes e desagradáveis.
E, sobretudo, Senhor, nesta prece de envelhecimento, peço-Te manter-me o mais alegre e amável possível e livrai-me de ser santo, assim como de ser um velho rabugento!
Agora e até a hora da minha morte,

Amém !

   

 

 

Subject: CARTA DE UMA DOUTORA PORTUGUESA PARA MAITÊ PROENÇA
To:
Muito bom, leia até o fim

CARTA DE UMA DOUTORA PORTUGUESA PARA MAITÊ PROENÇA

É  e agora temos que engolir mais essa!!!!!!!!

Antes de lerem a carta da Dra. Mafalda Carvalho, Professora Doutora da Universidade de Coimbra, endereçada à Maitê Proença, algumas observações sobre as razões da missivista:
1) Maitê Proença disse no programa "Saia Justa" umas gracinhas sobre a inteligência dos portugueses. Fez comentários descabidos sobre a História de Portugal, sobre tradições portuguesas que ela desconhece, sobre o estuário do Rio Tejo, reduziu Sintra a uma vilazinha, criticou e ridicularizou o atendimento a seu PC pelo pessoal do hotel onde estava hospedada… e por aí afora.
2) O programa passa em Portugal e causou um grande mal estar lá na "terrinha". Quando foi execrada pelos portugueses, no seu pedido de desculpas ainda disse que o povo Português não tem senso de humor. Que foi "apenas" uma brincadeirinha.

3) É o que dá quando a pessoa fala sem conhecimento de causa. Esta professora portuguesa além de escrever muito bem, acabou com a Maitê Proença e de quebra, com os nossos representanres em Brasília, protagonistas de um vasto anedotário.
4) Leia até o fim, pois a postura da Professora é excelente e nós….. temos que ficar caladinhos….  

5) É isso que dá, alguém despreparado emitir conceitos sobre assuntos que não domina, com apoio dos alienados das redes de TV Brasileira, que se consideram o máximo em cultura ..
6) E temos que engolir calados e com humildade o desabafo dessa senhora portuguesa, generalizando e nivelando todos os brasileiros. Mesmo porque ela não diz nenhuma inverdade.
7) A que ponto chegamos! Não temos mais nem o direito de nos indignar. Pobre Brasil! É o declínio moral de uma Nação.
CARTA-RESPOSTA DE UMA PROFESSORA E
DOUTORA PORTUGUESA PARA MAITÉ PROENÇA
       Exma. Senhora:
       Foi com indignação que vi a ‘peça cómica’ que fez em
Portugal e passou no programa Saia Justa em que participa. Não que me espante que o tenha feito – está à altura da imagem que há muito tenho de si, pelo que me tem sido dado ver pelos seus desempenhos – mas sim pelo facto da TV Globo ter permitido que tal ignorância fosse para o ar.
       Só para que possa, se conseguir, ficar um pouco mais esclarecida: A ‘vilazinha’ de Sintra é património da Humanidade, classificada pela UNESCO e unanimemente reconhecida como uma das mais belas e bem preservadas cidades históricas do mundo;
      Em Portugal, onde existem pessoas que olham para o mouse do seu computador como se de uma capivara se tratasse,  foi onde foi inventado o serviço pré-pago de telefones móveis (os celulares) – não existia nenhum no mundo que sequer se aproximasse e foi também o que inventou o sistema de passagem nas portagens (pedagios, se preferir), sem ter que parar – quando passar por alguma, sem ter que ficar na fila, lembre-se que deve isso aos
portugueses.
      É um dos países do Mundo com maior taxa de penetração de
computadores e serviços de internet em ambiente doméstico. É o único país do mundo onde TODAS as crianças que frequentam a escola têm acesso directo a um computador (no próprio estabelecimento de ensino) – e em Portugal TODAS as crianças vão à escola… Muitas delas até têm um computador próprio, para seu uso exclusivo, oferecido ou parcialmente financiado pelo Ministério da Educação – já ouviu falar do Magalhães? É natural que não… mas saiba que é uma criação nossa, que está a ser adquirida por outros países.
Recomendo-o vivamente – é muito simples e adequado para quem tem poucos conhecimentos de informática.
      Somos tão inovadores em matéria de utilização de tecnologia
informática e web nas escolas, que o nosso caso foi recomendado por especialistas americanos, como exemplo a seguir, a Barack Obama, que é só o Presidente dos Estados Unidos – ao Sr. Lula da Silva tal não seria oportuno, porque ele considera que a Escola não é determinante no sucesso das pessoas (e, no Brasil, a julgar pelo próprio, tem toda a razão).
      A internet à velocidade de 1 Mega, em Portugal há muito que é considerada obsoleta – eu percebo que não entenda porquê, porque no Brasil é hoje anunciada como o grande factor diferenciador a transmissão por cabo que já não nos interessa. Já estamos noutra – estamos entre os países do mundo com a rede de fibra óptica mais desenvolvida.E nesse contexto 1 Mega é mesmo uma brincadeira.
      O ditador a que se refere – o Salazar – governou, infelizmente, ‘mais de 20 anos’, mas para a próxima, para ser mais precisa, diga que foram 48 (INFELIZMENTE, é mais do dobro de 20). Ainda assim, e apesar do muito dano que nos causou a sua governação, nós, portugueses, conseguimos em 35 anos reduzir praticamente a ZERO a taxa de analfabetos e baixar para cifras irrisórias o nível de mortalidade infantil e de mulheres no parto onde estamos entre os melhores do mundo.
      Criar uma rede viária que é das mais avançadas do mundo – em Portugal, sem exceder os limites de velocidade e sem correr risco de vida, fazemos 300 km em duas horas e meia (daria tanto jeito que no Brasil também fosse assim!).
      Melhorar muito o nível de vida das pessoas, promovendo salários e condições de trabalho condignos. Temos ainda muito para fazer nesta matéria, mas já não temos pessoas fechadas em elevadores, cuja função é apenas carregar no botão do andar pretendido – cada um de nós sabe como fazê-lo e aproveitamos as pessoas para trabalhos mais estimulantes e úteis; também já não temos trabalhadores agrícolas em regime de escravatura – cada pessoa aqui tem um salário, não trabalha a troco de um prato de comida.
      Colocar-nos na vanguarda mundial das energias renováveis, menos poluentes, mais preservadoras do planeta; enquanto uns continuam a escavar petróleo, nós estamos a instalar o maior parque de energia eólica do mundo (é a energia produzida a partir do vento).
      Poderia também explicar-lhe quem foi Camões, Fernando Pessoa, etc., cujos túmulos viu no Mosteiro dos Jerónimos, mas eles merecem muito mais.
      Ah!, já agora, deixe-me dizer-lhe também que num ponto estou muito de acordo consigo: temos muito pouco sentido de humor. É verdade. Não acharíamos graça nenhuma se tivéssemos deputados a receber mesada para votarem num certo sentido, não nos divertiria muito se encontrassem dirigentes políticos com dinheiro na cueca, não nos faria rir ter senadores a construir palácios megalómanos à conta de sobre-facturação do Estado, não encontramos piada quando os políticos favorecem familiares e usam o seu poder em benefício próprio. Ficaríamos, pelo contrário, tão furiosos, que os colocaríamos na cadeia. Veja só – quanta falta de humor. Mas, pelo contrário, fazem-me rir as sessões plenárias do senado brasileiro. Aqui em Portugal , e estou certa que em toda a Europa, tal daria um excelente programa de humor.
       Que estranho, não é?
       Para terminar só uma sugestão: deixe o humor para quem no Brasil o sabe fazer com competência (e há humoristas muito bons no Brasil). Como alternativa, não sei o que lhe sugerir, porque ainda não a vi fazer nada que verdadeiramente me indicasse talento…
     Peço desculpa por não poder contribuir.
Mafalda Carvalho – Professora Doutora da Universidade de Coimbra


Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s