divida externa…

Leiam e observem a análise ponderada,
Muito bem explicada pelo
Economista  Waldir Serafim.

clip_image001

SAIBA O QUE LULA FEZ DE 2002 A 2010 COM A “DIVIDA INTERNA/EXTERNA” DO BRASIL

Você ouve falar em
DÍVIDA EXTERNA e DÍVIDA INTERNA

Em jornais e TV e não entende direito vamos explicar a seguir:
DIVIDA EXTERNA
é uma dívida com OS Bancos, Mundial, o FMI e outras Instituições,
No exterior em moeda externa. DIVIDA INTERNA é uma dívida com Bancos em R$ (moeda nacional) no país. Então, quando LULA assumiu o Brasil,
Em 2002, devíamos:
ü Dívida externa =     212 Bilhões
ü Dívida interna =      640 Bilhões
ü Total DA Dívida =  851 Bilhões
Em 2007 Lula disse que tinha pago a dívida externa. E é verdade, só que ele não explicou que,
Para pagar a dívida externa,
Ele aumentou a dívida interna
:
Em 2007 no governo Lula:
ü Dívida Externa =      0    Bilhões
ü Dívida Interna =    1.400 Trilhão
ü Total DA Dívida = 1.400 Trilhão Ou seja, a Dívida Externa foi paga, mas a dívida interna quase dobrou. Agora, em 2010, você pode perceber que não se vê mais na TV e em jornais algo dito que seja convincente sobre a Dívida Externa quitada. Sabe por que?
É que ela voltou…

Em 2010 no governo Lula:
ü Dívida Externa    =     240  Bilhões
ü Dívida Interna    =   1.650 Trilhão
ü Total DA Dívida =  1.890 Trilhão
Ou seja, no governo LULA,

A dívida do Brasil aumentou em 1 Trilhão!!!

Daí é que vem o dinheiro que o Lula está gastando no PAC,
Bolsa família, bolsa educação, bolsa faculdade, bolsa cultura,
Bolsa para presos, dentre outras mais bolsas… E de onde tirou 30 milhões de brasileiros DA pobreza !!!
E não é com dinheiro do crescimento, Mas sim, com dinheiro de
ENDIVIDAMENTO
.

Compreenderam?
Ou ainda acham que Lula é mágico?
Ou que FHC deixou um caminhão de dólares
Para Lula gastar?
Quer mais detalhes,
Sobre dívida interna e externa do Brasil? Acesse o site:
www.sonoticias.com.br/opiniao/2/100677/divida-interna-perigo-a-vista Os brasileiros, vão pagar muito caro pela atitude perdulária do governo Lulla,
Que não está conseguindo pagar OS juros dessa
“Dívida trilhardária”
Tendo que engolir um “spread”(txa. Juros)
Muito caro para refinanciar OS “papagaios”,
Sem deixar nenhum benefício para o povo,
Mas apenas
DIVIDAS A PAGAR
Por todos OS brasileiros,
Que pagam seus impostos…!!!
A pergunta que não quer calar é: Dilma Vai continuar esta gastança?
REPASSE PELO BEM DO PAÍS !!! ACORDA  BRASIL !!! Para maiores esclarecimentos, leia artigo de Hélio Fernandes no site: www.tribunadaimprensa.com.br/?p=6379 CADA cidadão brasileiro tem uma dívida , feita pelo Lula, de quase 1.0 MILHÃO DE REAIS.
Entenderam pq querem ressuscitar a CPMF?

   

Se as lentes forem amarelas a visibilidade será melhor!

COMO DIRIGIR SOB CHUVA FORTE. VALE A PENA LER E EXPERIMENTAR!
clip_image001[4] clip_image002 clip_image003
Interessantíssimo!!!
Parece um conselho bastante útil.
Como conseguir boa visão ao dirigir sob chuva forte.
Não se sabe o motivo, mas funciona muito bem quando chove muito.
É sugestão de um policial que experimentou e confirmou. Também é útil em condução noturna.
Nós, motoristas ligamos os limpadores de pára-brisas em velocidade rápida ou máxima durante chuvas pesadas,

mas a visibilidade ainda é bastante ruim.
Se você enfrentar tal situação, ponha óculos de sol (qualquer modelo serve).
Parece um milagre!
De repente, a visibilidade fica perfeita, como se não estivesse chovendo.
Assim, mantenha sempre um par de óculos de sol no porta-luvas do carro para ter boa visão em caso de chuva.
Você também pode salvar a vida de alguém, repassando essa informação.
Experimente! É incrível!
Você ainda verá as gotas no pára-brisa, mas não a lâmina de chuva.
Você poderá ver onde a chuva salta para fora da estrada e os respingos dos pneus do carro à sua frente.
Esta pequena dica deveria ser incluída na formação do motorista.
É excelente!!!!!

Informativo eletrônico – Edição 1105

Quinta-Feira, 08 de Novembro de 2012

Prezado leitor,

Você está recebendo o Macro Visão. Veja os destaques desta edição:

Economia Brasileira

·  Produção de autoveículos cresce em outubro

·  Produção industrial recua em 12 dos 14 locais pesquisados em setembro

Economia Internacional

·  Reino Unido: taxa de juros permanece em 0,5%

·  Alemanha: Exportações recuam 2,5% em setembro


Economia Brasileira

Produção de autoveículos cresce em outubro

Em outubro, a quantidade de autoveículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus) produzidos no Brasil foi de 318,7 mil, resultado 12,8% acima do número de setembro (282,5 mil). Na comparação com setembro de 2011, mês em que foram produzidos 265 mil autoveículos, esse resultado é 20,2% superior. No acumulado de 2012 foram produzidos 2,78 milhões de autoveículos, 3,3% a menos que no mesmo período de 2011. As informações foram divulgadas na quarta-feira (07/10) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA).

Quanto às exportações, foram vendidos 41.797 autoveículos para o exterior em setembro, 53,7% a mais do que em setembro (27.194). Já com relação ao resultado de outubro de 2011 (53.016), houve queda de 21,2%. No acumulado do ano, as exportações totalizam 364,3 mil autoveículos.

Em outubro, foram importados 61,617 autoveículos, número 13,1% superior ao de setembro (54.589). No acumulado do ano foram importados 659 mil autoveículos, 3,2% a menos na comparação com o mesmo período de 2011 (681 mil).

O resultado do licenciamento total de veículos novos foi de 341.644 autoveículos em outubro, aumento de 18,6% em relação ao mês anterior (288.108). No acumulado do ano foram licenciados 3,13 milhões de autoveículos, aumento de 5,7% frente o mesmo período do ano passado (2,96 milhões).

Produção industrial recua em 12 dos 14 locais pesquisados em setembro

A produção industrial recuou em 12 dos 14 locais pesquisados em setembro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal divulgada pelo IBGE nesta quinta-feira (08/10). A principal queda foi registrada em Goiás (-2,9%), após avanço de 10,2% do mês anterior, seguida de Rio de Janeiro (-2,7%), Paraná (-2,6%). A única região com resultado positivo foi o Pará (2,6%) e região Nordeste segue, assim como em agosto, sem variação.

O setor industrial recuou 2,8% no terceiro trimestre do ano em relação ao mesmo período de 2011, registrando o quarto resultado negativo consecutivo nessa base de comparação. Oito dos 14 locais pesquisados melhoraram o resultado na passagem do segundo para o terceiro trimestre, com destaque para Minas Gerais (de -1,3% para 3,1%) e Bahia (-1,9% para 2,0%), enquanto Paraná (de 0,1% para -8,6%), Pará (de 3,5% para -4,8%) e Goiás (de 1,5% para -5,5%) assinalaram as perdas de ritmo mais intensas entre os dois períodos.

O Estado de São Paulo apresentou queda de 1,2% na produção industrial na passagem de agosto para setembro. Em relação a setembro de 2011, houve recuo de 3,0%. No terceiro trimestre de 2012 frente ao mesmo período de 2011, São Paulo recuou 6,0%. No segundo trimestre, havia recuado 5,4%.


Economia Internacional

Reino Unido: taxa de juros permanece em 0,5%

O Banco da Inglaterra (BOE, na sigla em inglês) decidiu nesta quinta-feira (08/10) manter a taxa de juros oficial em 0,5%. O Comitê também manteve a política de compra de ativos em 375 bilhões de euros.

A ultima mudança na taxa de juros foi realizada em março de 2009, quando o Banco da Inglaterra decidiu cortar 0,5 ponto percentual passando de 1,0% para 0,5%.

Alemanha: Exportações recuam 2,5% em setembro

As exportações da Alemanha atingiram o valor de 91,7 bilhões de euros em setembro de 2012, enquanto as importações atingiram 74,9 bilhões. Com isso as exportações recuaram 3,4% e as importações 3,6%, em relação a setembro de 2011. Em comparação a agosto desse ano, as exportações caíram 2,5% e as importações, 1,6%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (08/10) pelo Escritório Federal de Estatísticas (Destatis).

Em 2012, as exportações já acumulam o valor de 825,9 bilhões de euros, enquanto as importações acumulam 682,4 bilhões.


Projeções de Mercado

Relatório divulgado em 05/11/2012

Mediana – Agregado

2012

2013

Há 4 semanas

Há 1 semana

Hoje

Comp. Semanal

Há 4 semanas

Há 1 semana

Hoje

Comp. Semanal

IPCA (%)

5,42

5,45

5,44

(1)

5,44

5,40

5,40

=

(1)

IGP-DI (%)

8,74

8,42

8,34

(3)

5,27

5,16

5,17

(1)

IGP-M (%)

8,60

8,30

7,92

(4)

5,25

5,16

5,16

=

(1)

IPC-Fipe (%)

4,48

4,62

4,62

=

(1)

4,91

4,83

4,85

(1)

Taxa de Câmbio – fim de período (R$/US$)

2,00

2,01

2,02

(1)

2,00

2,01

2,01

=

(2)

Taxa de Câmbio – média do período (R$/US$)

1,95

1,95

1,95

=

(6)

2,00

2,01

2,02

(1)

Meta da Taxa Selic – fim de período (% a a)

7,50

7,25

7,25

=

(3)

8,00

7,75

7,63

(2)

Meta da Taxa Selic – média do período (% a a)

8,53

8,47

8,47

=

(3)

7,56

7,44

7,34

(1)

Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB)

35,25

35,20

35,20

=

(3)

34,00

34,00

34,00

=

(5)

PIB (% do crescimento)

1,57

1,54

1,54

=

(3)

4,00

4,00

4,00

=

(13)

Produção Industrial (% do crescimento)

-2,00

-2,10

-2,31

(6)

4,15

4,15

4,15

=

(1)

Conta Corrente (US$ bilhões)

-56,10

-55,70

-55,73

(1)

-68,16

-65,90

-65,90

=

(2)

Balança Comercial (US$ bilhões)

18,00

18,45

18,20

(1)

14,57

15,00

18,45

(1)

Invest. Estrangeiro Direto (US$ bilhões)

58,80

59,68

60,00

(1)

60,00

60,00

60,00

=

(5)

Preços Administrados (%)

3,50

3,50

3,50

=

(2)

4,00

3,00

3,00

=

(1)

*comportamento dos indicadores desde o último Relatório de Mercado; os valores entre parênteses expressam o número de semanas em que vem ocorrendo o último comportamento ( aumento, diminuição ou = estabilidade)

Fonte: Banco Central do Brasil – Relatório de Mercado/Focus.

O Boletim Focus é uma pesquisa realizada pelo Banco Central do Brasil com as principais instituições financeiras do País. Todas as estimativas ali apresentadas devem ser examinadas com bastante cautela, pois não significam compromisso do BACEN nem expressam a opinião da FIESP/CIESP.


Economia Brasileira

INDICADORES

Efetivo

Projeções

2006

2007

2008

2009

2010

2011

    2012

   
 

Crescimento do PIB (%)

4,0

6,1

5,2

-0,3

7,5

2,7

1,4

   

PIB Indústria (%)

2,2

5,3

4,1

-5,6

10,4

1,6

-0,5

   

Extrativa Mineral (%)

4,4

3,7

3,5

-3,2

13,6

3,2

-0,4

   

Transformação (%)

1,0

5,6

3,0

-8,7

10,1

0,1

-2,6

   

Construção Civil (%)

4,7

4,9

7,9

-0,7

11,6

3,6

2,2

   

Serv. Ind. Utilidade Públ. (SIUP) (%)

3,5

5,4

4,8

0,9

8,1

3,8

4,5

   

PIB Agropecuária (%)

4,8

4,8

6,1

-3,1

6,3

3,9

-1,0

   

PIB Serviços (%)

4,2

6,1

4,9

2,1

5,5

2,7

2,3

   

Consumo das Famílias (%)

4,5

5,8

5,7

4,4

6,9

4,1

3,0

   

Consumo do Governo (%)

2,6

5,1

3,2

3,1

4,2

1,9

3,8

   

Formação Bruta de Capital Fixo (%)

9,8

13,9

13,6

-6,7

21,3

4,7

-1,5

   

Exportações de Bens e Serviços (%)

5,0

6,2

0,5

-9,1

11,5

4,5

-0,5

   

Importações de Bens e Serviços (%)

18,4

19,9

15,4

-7,6

35,8

9,7

3,9

   

Setor
Externo

Exportações (US$ bilhões)

137,8

160,6

197,9

153,0

201,9

256,0

248,5

   

Importações (US$ bilhões)

91,4

120,6

173,0

127,6

181,6

226,2

232,3

   

Saldo da Balança Com. (US$ bilhões)

46,5

40,0

24,9

25,4

20,3

29,8

16,2

   

Exportações (%)

16,3

16,6

23,2

-22,7

32,0

26,8

-2,9

   

Importações (%)

24,1

32,0

43,4

-26,2

42,3

24,6

2,7

   

Saldo da Balança Comercial (%)

3,4

-13,8

-37,7

2,0

-20,1

47,0

-45,6

   

Produção Industrial (%)

2,8

6,0

3,1

-7,4

10,5

0,3

-3,0

   

INA – FIESP/CIESP (%)

2,9

6,0

4,3

-8,1

9,9

0,6

-4,4

   

Emprego Industrial SP- FIESP/CIESP (%)

-0,1

4,6

-0,3

-4,5

4,7

0,0

-3,2

   

Emprego Industrial Brasil – IBGE (%)

0,8

3,3

-1,2

-2,4

3,4

-0,4

-2,2

   

Elaboração FIESP/CIESP
Com exceção dos indicadores marcados com *, os dados de 2005 a 2007 foram revisados pelo IBGE.

 

Copyright © 2011 Fiesp. Todos os direitos reservados

Dúvidas e sugestões, clique aqui.

Se você não deseja mais receber esse informativo, clique aqui.

Macro Visão é uma publicação da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e
do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)

Av. Paulista, 1313 – 5º andar – Cep 01311-923 – Tel.: 11 3549-4316
Diretor Titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos: Paulo Francini
Gerente: Guilherme Moreira – Textos: Denilson Lopes, Gabriela Vichi, Gabriela Uieda, Jefferson Galetti, Rodolfo Margato e Vinicius Lopes – DEPECON

Revisão: Emilse Bentson – Coordenadora web: Aurilene Santos – Webdesigner: Caroline Levart, Michel Avelar e Bruno Nascimento

Perguntas respondidas

Mostre-me outra »

Que tal uma mudança de hábitos?

Manual diário
Saúde:
1. Beba muita água
2. Coma ao café da manhã como um rei, ao almoço como um príncipe e ao jantar como um pedinte;
3. Coma o que nasce em árvores e plantas, e menos comida produzida em fábricas;
4. Viva com os 3 E’s: Energia, Entusiasmo e Empatia;
5. Arranje tempo para orar;
6. Jogue mais jogos;
7. Leia mais livros do que leu no ano anterior;
8. Sente-se em silêncio pelo menos 10 minutos por dia;
9. Durma 8 horas por dia;
10. Faça caminhadas de 20-60 minutos por dia, e enquanto caminha sorria.
Personalidade:
11. Não compare a sua vida a dos outros. Ninguém faz idéia de como é a caminhada dos outros;
12. Não tenha pensamentos negativos ou coisas de que não tenha controle;
13. Não se exceda. Mantenha-se nos seus limites;
14. Não se torne demasiadamente sério;
15. Não desperdice a sua energia preciosa em fofocas;
16. Sonhe mais;
17. Inveja é uma perda de tempo. Tem tudo que necessita….
18. Esqueça questões do passado. Não lembre seu parceiro dos seus erros do passado. Isso destruirá a sua felicidade presente;
19. A vida é curta demais para odiar alguém. Não odeie.
20. Faça as pazes com o seu passado para não estragar o seu presente;
21. Ninguém comanda a sua felicidade a não ser você;
22. Tenha consciência que a vida é uma escola e que está nela para aprender. Problemas são apenas parte do curriculum, que aparecem e se desvanecem como uma aula de álgebra, mas as lições que aprende, perduram uma vida inteira;
23. Sorria e gargalhe mais;
24. Não necessite ganhar todas as discussões. Aceite também a discordância;
Sociedade:
25. Entre mais em contato com sua família;
26. Dê algo de bom aos outros diariamente;
27. Perdoe a todos por tudo;
28. Passe tempo com pessoas acima de 70 anos e abaixo de 6;
29. Tente fazer sorrir pelo menos três pessoas por dia;
30. Não te diz respeito o que os outros pensam de você;
31. O seu trabalho não tomará conta de você quando estiver doente. Os seus amigos o farão. Mantém contato com eles.
A Vida:
32. Faça o que é correto;
33. Desfaça-se do que não é útil, bonito ou alegre;
34. DEUS cura tudo;
35. Por muito boa ou má que a situação seja…. Ela mudará…
36. Não interessa como se sente, levanta, se arruma e aparece;
37. O melhor ainda está para vir;
38. Quando acordar vivo de manhã, agradeça a DEUS pela graça.
39. Mantenha seu coração sempre feliz.
Por último:
40. Envia para aqueles que você ama!!!
A vida se renova todo ano, todo dia, todo instante. Apesar de tudo….

 

 

 

DECRETO LEI – PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO:

Veja o que o Lula providenciou para “depois” .

Também ajeitou para a Marisa para que ela não volte a ser doméstica.

DECRETO Nº 6.381, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2008

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei no 7..474, de 8 de maio de 1986,
DECRETA:
Art. 1o Findo o mandato do Presidente da República, quem o houver exercido, em caráter permanente, terá direito:
I – aos serviços de quatro servidores para atividades de segurança e apoio pessoal;
II – a dois veículos oficiais, com os respectivos motoristas; e
III – ao assessoramento de dois servidores ocupantes de cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS, nível 5.
Art. 2o Os servidores e motoristas a que se refere o art. 1o serão de livre escolha do ex-Presidente da República e nomeados para cargo em comissão destinado ao apoio a ex-Presidentes da República, integrante do quadro dos cargos em comissão e das funções gratificadas da Casa Civil da Presidência da República.
Art.. 3o Para atendimento do disposto no art. 1o, a Secretaria de Administração da Casa Civil da Presidência da República poderá dispor, para cada ex-Presidente, de até oito cargos em comissão do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores – DAS, sendo dois DAS 102.5, dois DAS 102.4, dois DAS 102.2 e dois DAS 102.1.
Art. 4o Os servidores em atividade de segurança e os motoristas de que trata o art. 1o receberão treinamento para se capacitar, respectivamente, para o exercício da função de segurança pessoal e de condutor de veículo de segurança, pelo
Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.
Art. 5o Os servidores em atividade de segurança e os motoristas aprovados no treinamento de capacitação na forma do art. 4o, enquanto estiverem em exercício nos respectivos cargos em comissão da Casa Civil, ficarão vinculados tecnicamente ao
Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional, sendo considerados, para os fins do art. 6o, inciso V, segunda parte, da Lei no 10.826, de 22 de dezembro de 2003, agentes daquele Departamento.
Art. 6o Aos servidores de que trata o art. 5o poderá ser disponibilizado, por solicitação do ex-Presidente ou seu representante, porte de arma institucional do
Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional, desde que cumpridos os seguintes requisitos, além daqueles previstos na Lei no 10.826, de 2003, em seu regulamento e em portaria do Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional:
I – avaliação que ateste a capacidade técnica e aptidão psicológica para o manuseio de arma de fogo, a ser realizada pelo
Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional;
II – observância dos procedimentos relativos às condições para a utilização da arma institucional, estabelecidos em ato normativo interno do Gabinete de Segurança Institucional; e
III – que se tratem de pessoas originárias das situações previstas no art.. 6o, incisos I, II e V, da Lei no 10.826, de 2003.
Parágrafo único. O porte de arma institucional de que trata o caput terá prazo de validade determinado e, para sua renovação, deverá ser realizada novamente a avaliação de que trata o inciso I do caput, nos termos de portaria do Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional.
Art. 7o Durante os períodos de treinamento e avaliação de que tratam os arts. 4o e 6o, o servidor em atividade de segurança e motorista de ex-Presidente poderá ser substituído temporariamente, mediante solicitação do ex-Presidente ou seu representante, por agente de segurança do
Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional.
Art. 8o O planejamento, a coordenação, o controle e o zelo pela segurança patrimonial e pessoal de ex-Presidente caberá aos servidores de que trata o art. 1o, conforme estrutura e organização própria estabelecida.
Art. 9o A execução dos atos administrativos internos relacionados com a gestão dos servidores de que trata o art. 1o e a disponibilidade de dois veículos para o ex-Presidente serão praticadas pela Casa Civil, que arcará com as despesas decorrentes.
Art. 10. Os candidatos à Presidência da República terão direito a segurança pessoal, exercida por agentes da Polícia Federal, a partir da homologação da respectiva candidatura em convenção partidária.
Art. 11. O Ministro de Estado da Justiça, no que diz respeito ao art. 10, o Ministro de Estado Chefe do Gabinete de Segurança Institucional, no que concerne aos arts.. 4o, 5o, 6o e 7o, e o Secretário de Administração da Casa Civil, quanto ao disposto nos arts.. 2o e 9o, baixarão as instruções e os atos necessários à execução do disposto neste Decreto..
Art. 12. Este Decreto entra em vigor na data da sua publicação.
Art. 13. Revoga-se o Decreto no 1..347, de 28 de dezembro de 1994.
Brasília, 27 de fevereiro de 2008; 187o da Independência e 120o da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Tarso Genro
Jorge Armando Felix

Este texto não substitui o publicado no DOU de 28.2.2008

Está duvidando? Entre no site:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Decreto/D6381.htm

 

 

 

Enviadas: Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012 12:38
Assunto: FW: NÃO DEU NA imprensa brasileira

  Repassando…..

Assunto: NÃO DEU NA “IMPRENSA” BRASILEIRA: MPF PEDE O BLOQUEIO DOS BENS DO EX-PRESIDENTE LULA:  

SAIU NA IMPRENSA PORTUGUESA PORQUE, COMO TODOS SABEM,

A IMPRENSA BRASILEIRA É MUITO BEM PAGA PELO PT PARA PROTEGÊ-LO.

ENTÃO, TEMOS QUE FAZER NÓS, INTERNAUTAS, O PAPEL QUE A IMPRENSA NÃO FAZ.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PEDIU O BLOQUEIO DOS BENS DO LULA NO VALOR DE

R$ 9.526.070,64 POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.

Já sei, você não acredita não é mesmo?

Então, primeiro confira o processo na Justiça Federal:

http://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?secao=DF&proc=78070820114013400

Depois de abrir o link acima, clique em “PARTES” e verá o nome do Lula. Se quiser poderá acompanhar o desfecho.

Processo: 0007807-08.2011.4.01.3400

Classe: 65 – AÇÃO CIVIL PÚBLICA

Vara: 13ª VARA FEDERAL

Juiz: PAULO CESAR LOPES

Data de Autuação: 31/01/2011

Assunto da Petição: 1030801 – DANO AO ERÁRIO – IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA – ATOS ADMINISTRATIVOS – ADMINISTRATIVO

Observação: ASSEGURAR O RESSARCIMENTO

BLOQUEIO DOS BENS DO LULA !

A notícia que todo Brasil esperava foi publicada dia 23/10/12 no jornal Correio da Manhã em Portugal, quem quiser confirmar é só clicar no endereço abaixo: no site portugues

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/internacional/mundo/ministerio-publico-pede-bloqueio-de-bens-de-lula

    Isso é a pontinha do iceberg. Se resolverem investigar fortemente o BNDES e Eike Batista iremos chegar a pelo menos US$ 40 bilhões segundo a revista americana FORBES
Os PTralhas estão doidos com a notícia .

Se você ainda é PTista, e continua votando nessa quadrilha, boa sorte, continue assim, e deixará um um belo futuro para seus filhos e netos.

Grande Oriente do Brasil – Últimas Notícias

Intervenção no Grande Oriente Estadual do Rio de Janeiro / GOB-RJ

Leia mais
A:.R:.L:.S:. Melvin Jones nº 3733 Completa 7 Anos de Fundação

Leia mais
Grão-Mestre Geral e Grão-Mestre do GOEB Abrem Congresso Em Juazeiro-BA

Leia mais
TVGOB Apresenta o Esquadro Brasileiro

Leia mais
A:.R:.L:.S:. Templários do III Milênio Recebe Grão-Mestre Geral e Homenageia IIr:.

Leia mais
Divulgue sua Loja e/ou Núcleo                           O uça a Rádio GOB

Leia mais Leia mais

(A:JA/R:JA)
Sec:. Geral de Comunicação e Informática

 

Informativo eletrônico – Edição 1104

Quarta-Feira, 07 de Novembro de 2012

Prezado leitor,

Você está recebendo o Macro Visão. Veja os destaques desta edição:

Economia Brasileira

·  IGP-DI desacelera em outubro

·  IPCA varia 0,59%

Economia Internacional

·  Alemanha: produção industrial recua 1,8% em setembro


Economia Brasileira

IGP-DI desacelera em outubro

O Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI) registrou variação de -0,31% em outubro, bem abaixo da taxa de setembro (0,88%), e também menor do que a taxa registrada em outubro de 2011 (0,40%). Em 12 meses, o IGP-DI variou 7,41%; a taxa acumulada do ano é de 7,12%.

O Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) variou -0,68% em outubro; no mês anterior a taxa foi de 1,11%. O índice relativo a Bens Finais apresentou variação de -0,44%, abaixo da taxa de setembro (1,03%). O grupo Bens Intermediários assinalou taxa de variação de 0,07% em outubro ante 1,08% no mês anterior. O índice relativo a Matérias-Primas Brutas foi o único que acelerou de 1,22% em setembro para 1,86% em outubro.

O Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,48% em outubro, ante 0,54% no mês anterior. Entre as classes de despesa componentes do índice, a queda mais significativa foi da classe de Alimentos, que passou de 1,23% para 0,67%, seguida por Comunicação (0,51% para 0,45%) e Habitação (0,40% para 0,36%).

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) registrou taxa de variação de 0,21% em outubro, abaixo da taxa de setembro (0,22%). O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,42%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,46%. O índice que representa o custo da Mão de Obra permaneceu estável em 0,01%, após não variar em setembro.

Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (07) pela FGV.

IPCA varia 0,59%

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo variou 0,59% neste mês de outubro ficando próximo do resultado de setembro (0,57%). O acumulado do ano ficou em 4,38%. Considerando os últimos 12 meses, a taxa está em 5,45%. Em outubro de 2011 a taxa havia ficado em 0,43%.

O índice referente à alimentação e bebidas continua como a principal influência positiva ao variar 1,36%, sendo responsável por 0,54% do IPCA. Em setembro o grupo havia apresentado alta de 1,26%. Vale destacar os subitens arroz (9,88%) e carnes (2,04%) como as maiores taxas do mês neste grupo. Além do grupo alimentos e bebidas, outros 5, entre os 9 que compõem o índice geral, aceleraram na passagem de setembro para outubro: vestuário (0,89% para 1,09%), artigos de residência (0,18% para 0,37%), transporte (–0,08% para 0,24%), Saúde e cuidados pessoais (de 0,32% para 0,48%) e despesas pessoais (0,73% para 0,10%).

Na comparação mensal, entre as regiões, a maior alta do IPCA foi em Belém (1,02%), onde os alimentos aumentaram 3,05%. A menor taxa se manteve em Curitiba (0,39%). Em São Paulo o IPCA variou 0,53%.

Os dados foram divulgados pelo IBGE neta quarta-feira (07).


Economia Internacional

Alemanha: produção industrial recua 1,8% em setembro

A produção industrial da Alemanha caiu 1,8% em setembro, segundo dados divulgados hoje (08) pelo Ministério da Economia. Em agosto, a queda foi revisada para 0,4%, sendo que a primeira informação havia sido 0,5%.

As fábricas produziram menos 2,2% de produtos intermediários e menos 3,5% de bens de capital. A construção civil foi o único setor que avançou em setembro, ao crescer 2,7%.


Projeções de Mercado

Relatório divulgado em 05/11/2012

Mediana – Agregado

2012

2013

Há 4 semanas

Há 1 semana

Hoje

Comp. Semanal

Há 4 semanas

Há 1 semana

Hoje

Comp. Semanal

IPCA (%)

5,42

5,45

5,44

(1)

5,44

5,40

5,40

=

(1)

IGP-DI (%)

8,74

8,42

8,34

(3)

5,27

5,16

5,17

(1)

IGP-M (%)

8,60

8,30

7,92

(4)

5,25

5,16

5,16

=

(1)

IPC-Fipe (%)

4,48

4,62

4,62

=

(1)

4,91

4,83

4,85

(1)

Taxa de Câmbio – fim de período (R$/US$)

2,00

2,01

2,02

(1)

2,00

2,01

2,01

=

(2)

Taxa de Câmbio – média do período (R$/US$)

1,95

1,95

1,95

=

(6)

2,00

2,01

2,02

(1)

Meta da Taxa Selic – fim de período (% a a)

7,50

7,25

7,25

=

(3)

8,00

7,75

7,63

(2)

Meta da Taxa Selic – média do período (% a a)

8,53

8,47

8,47

=

(3)

7,56

7,44

7,34

(1)

Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB)

35,25

35,20

35,20

=

(3)

34,00

34,00

34,00

=

(5)

PIB (% do crescimento)

1,57

1,54

1,54

=

(3)

4,00

4,00

4,00

=

(13)

Produção Industrial (% do crescimento)

-2,00

-2,10

-2,31

(6)

4,15

4,15

4,15

=

(1)

Conta Corrente (US$ bilhões)

-56,10

-55,70

-55,73

(1)

-68,16

-65,90

-65,90

=

(2)

Balança Comercial (US$ bilhões)

18,00

18,45

18,20

(1)

14,57

15,00

18,45

(1)

Invest. Estrangeiro Direto (US$ bilhões)

58,80

59,68

60,00

(1)

60,00

60,00

60,00

=

(5)

Preços Administrados (%)

3,50

3,50

3,50

=

(2)

4,00

3,00

3,00

=

(1)

*comportamento dos indicadores desde o último Relatório de Mercado; os valores entre parênteses expressam o número de semanas em que vem ocorrendo o último comportamento ( aumento, diminuição ou = estabilidade)

Fonte: Banco Central do Brasil – Relatório de Mercado/Focus.

O Boletim Focus é uma pesquisa realizada pelo Banco Central do Brasil com as principais instituições financeiras do País. Todas as estimativas ali apresentadas devem ser examinadas com bastante cautela, pois não significam compromisso do BACEN nem expressam a opinião da FIESP/CIESP.


Economia Brasileira

INDICADORES

Efetivo

Projeções

2006

2007

2008

2009

2010

2011

    2012

   
 

Crescimento do PIB (%)

4,0

6,1

5,2

-0,3

7,5

2,7

1,4

   

PIB Indústria (%)

2,2

5,3

4,1

-5,6

10,4

1,6

-0,5

   

Extrativa Mineral (%)

4,4

3,7

3,5

-3,2

13,6

3,2

-0,4

   

Transformação (%)

1,0

5,6

3,0

-8,7

10,1

0,1

-2,6

   

Construção Civil (%)

4,7

4,9

7,9

-0,7

11,6

3,6

2,2

   

Serv. Ind. Utilidade Públ. (SIUP) (%)

3,5

5,4

4,8

0,9

8,1

3,8

4,5

   

PIB Agropecuária (%)

4,8

4,8

6,1

-3,1

6,3

3,9

-1,0

   

PIB Serviços (%)

4,2

6,1

4,9

2,1

5,5

2,7

2,3

   

Consumo das Famílias (%)

4,5

5,8

5,7

4,4

6,9

4,1

3,0

   

Consumo do Governo (%)

2,6

5,1

3,2

3,1

4,2

1,9

3,8

   

Formação Bruta de Capital Fixo (%)

9,8

13,9

13,6

-6,7

21,3

4,7

-1,5

   

Exportações de Bens e Serviços (%)

5,0

6,2

0,5

-9,1

11,5

4,5

-0,5

   

Importações de Bens e Serviços (%)

18,4

19,9

15,4

-7,6

35,8

9,7

3,9

   

Setor
Externo

Exportações (US$ bilhões)

137,8

160,6

197,9

153,0

201,9

256,0

248,5

   

Importações (US$ bilhões)

91,4

120,6

173,0

127,6

181,6

226,2

232,3

   

Saldo da Balança Com. (US$ bilhões)

46,5

40,0

24,9

25,4

20,3

29,8

16,2

   

Exportações (%)

16,3

16,6

23,2

-22,7

32,0

26,8

-2,9

   

Importações (%)

24,1

32,0

43,4

-26,2

42,3

24,6

2,7

   

Saldo da Balança Comercial (%)

3,4

-13,8

-37,7

2,0

-20,1

47,0

-45,6

   

Produção Industrial (%)

2,8

6,0

3,1

-7,4

10,5

0,3

-3,0

   

INA – FIESP/CIESP (%)

2,9

6,0

4,3

-8,1

9,9

0,6

-4,4

   

Emprego Industrial SP- FIESP/CIESP (%)

-0,1

4,6

-0,3

-4,5

4,7

0,0

-3,2

   

Emprego Industrial Brasil – IBGE (%)

0,8

3,3

-1,2

-2,4

3,4

-0,4

-2,2

   

Elaboração FIESP/CIESP
Com exceção dos indicadores marcados com *, os dados de 2005 a 2007 foram revisados pelo IBGE.

 

Copyright © 2011 Fiesp. Todos os direitos reservados

Dúvidas e sugestões, clique aqui.

Se você não deseja mais receber esse informativo, clique aqui.

Macro Visão é uma publicação da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e
do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)

Av. Paulista, 1313 – 5º andar – Cep 01311-923 – Tel.: 11 3549-4316
Diretor Titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos: Paulo Francini
Gerente: Guilherme Moreira – Textos: Denilson Lopes, Gabriela Vichi, Gabriela Uieda, Jefferson Galetti, Rodolfo Margato e Vinicius Lopes – DEPECON

Revisão: Emilse Bentson – Coordenadora web: Aurilene Santos – Webdesigner: Caroline Levart, Michel Avelar e Bruno Nascimento

A fábrica brasileira de dinheiro que serve...

João Veiga Garcia

7 de novembro de 2012 10:21

A fábrica brasileira de dinheiro que serve quase que exclusivamente para alimentar a corrupção!!!
A fábrica brasileira de Dinheiro !
IBPT – INSTITUTO BRASILEIRO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO
Percentual de Tributos sobre o ” Preço Final “!
PRODUTO % Tributos/preço final
Passagens aéreas 8,65%
Transporte Aéreo de Cargas 8,65%
Transporte Rod. Interestadual Passageiros 16,65%
Transporte Rod. Interestadual Cargas 21,65%
Transp. Urbano Passag. – Metropolitano 22,98%
Vassoura 26,25%
CONTA DE ÁGUA 29,83%
Mesa de Madeira 30,57%
Cadeira de Madeira 30,57%
Armário de Madeira 30,57%
Cama de Madeira 30,57%
Sofá de Madeira/plástico 34,50%
Bicicleta 34,50%
Tapete 34,50%
MEDICAMENTOS 36%
Motocicleta de até 125 cc 44,40%
CONTA DE LUZ 45,81%
CONTA DE TELEFONE 47,87%
Motocicleta acima de 125 cc 49,78%
Gasolina 57,03%
Cigarro 81,68%
PRODUTOS ALIMENTÍCIOS BÁSICOS
Carne bovina 18,63%
Frango 17,91%
Peixe 18,02%
Sal 29,48%
Trigo 34,47%
Arroz 18,00%
Óleo de soja 37,18%
Farinha 34,47%
Feijão 18,00%
Açúcar 40,40%
Leite 33,63%
Café 36,52%
Macarrão 35,20%
Margarina 37,18%
Molho de tomate 36,66%
Ervilha 35,86%
Milho Verde 37,37%
Biscoito 38,50%
Chocolate 32,00%
Achocolatado 37,84%
Ovos 21,79%
Frutas 22,98%
Álcool 43,28%
Detergente 40,50%
Saponáceo 40,50%
Sabão em barra 40,50%
Sabão em pó 42,27%
Desinfetante 37,84%
Água sanitária 37,84%
Esponja de aço 44,35%
PRODUTOS BÁSICOS DE HIGIENE
Sabonete 42%
Xampu 52,35%
Condicionador 47,01%
Desodorante 47,25%
Aparelho de barbear 41,98%
Papel Higiênico 40,50%
Pasta de Dente 42,00%
MATERIAL ESCOLAR
Caneta 48,69%
Lápis 36,19%
Borracha 44,39%
Estojo 41,53%
Pastas plásticas 41,17%
Agenda 44,39%
Papel sulfite 38,97%
Livros 13,18%
Papel 38,97%
Agenda 44,39%
Mochilas 40,82%
Régua 45,85%
Pincel 36,90%
Tinta plástica 37,42%
BEBIDAS
Refresco em pó 38,32%
Suco 37,84%
Água 45,11%
Cerveja 56,00%
Cachaça 83,07%
Refrigerante 47,00%
CD 47,25%
DVD 51,59%
Brinquedos 41,98%
LOUÇAS
Pratos 44,76%
Copos 45,60%
Garrafa térmica 43,16%
Talheres 42,70%
Panelas 44,47%
PRODUTOS DE CAMA, MESA E BANHO
Toalhas – (mesa e banho) 36,33%
Lençol 37,51%
Travesseiro 36,00%
Cobertor 37,42%
Automóvel 43,63%
ELETRODOMÉSTICOS
Sapatos 37,37%
Roupas 37,84%
Aparelho de som 38,00%
Computador 38,00%
Fogão 39,50%
Telefone Celular 41,00%
Ventilador 43,16%
Liquidificador 43,64%
Batedeira 43,64%
Ferro de Passar 44,35%
Refrigerador 47,06%
Vídeo-cassete 52,06%
Microondas 56,99%
MATERIAL DE CONSTRUÇÃO
Fertilizantes 27,07%
Tijolo 34,23%
Telha 34,47%
Móveis (estantes, cama, armários) 37,56%
Vaso sanitário 44,11%
Tinta 45,77%
Casa popular 49,02%
Mensalidade Escolar 37,68% (ISS DE 5%)
ALÉM DESTES IMPOSTOS, VC PAGA DE 15% A 27,5% DO SEU SALÁRIO A TÍTULO DE IMPOSTO DE RENDA,PAGA O SEU PLANO DE SAÚDE, O COLÉGIO DOS SEUS FILHOS, IPVA, IPTU, INSS, FGTS ETC.
Isso está aí há muitos anos e ninguém faz nada para mudar!!!
Até quando vamos aceitar essa roubalheira? Até quando vamos trabalhar para sustentar essa corja de corruptos?
Acredito que enquanto o povo não se mobilizar para uma revolução interna ELES continuarão nos fazendo de escravos.
Pois para ELES é isso que somos.
DIVULGUE!!!
A mudança do Brasil também depende de nós!!!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s