somos todos um.

Especial STUM: Você está fugindo do quê?

Passamos pela fatídica data de 21 de Dezembro de 2012 sem contratempos ou transtornos; todas as profecias que nos falavam de catástrofes de todo tipo ficaram obsoletas e a vida continua aparentemente como antes: temos de trabalhar ou estudar (muitas vezes as duas coisas juntas), cuidar da saúde, da educação dos filhos e de todas as tarefas que dizem respeito à nossa passagem pelo planeta azul… e as condições de vida atuais deixam muito a desejar. Violência, corrupção, poluição, injustiça social, intolerância, medo, desesperança, isolamento, desrespeito…
Quem mora na cidade grande, e tem condições para viajar, anseia impacientemente que o fim de semana chegue logo para finalmente poder desfrutar um merecido descanso na praia -ou no campo- para ele e sua família… descanso?
Sair da cidade tornou-se quase sempre tarefa das mais estressantes e cansativas, pois a quantidade de seres humanos que enfrentam a estrada é cada vez maior e onde quer que vão encontrarão engarrafamentos, dificuldade em estacionar, praias superlotadas, preços abusivos, lixo acumulado e muitas vezes condições atmosféricas em nada animadoras, sem contar os muitos acidentes de trânsito e suas consequências funestas. Um verdadeiro purgatório.
O que será que provoca este êxodo quase incontrolável, esta mobilização coletiva que resulta frequentemente em frustração completa? Por que deixamos nosso lar, que deveria ser nosso santuário, e ficamos horas a fio presos com o motor ligado no meio de um congestionamento, sob o sol escaldante… estamos fugindo de quê? De que vale se deslocar de um lugar para outro carregando junto o vazio interior, a angústia, a solidão, ainda que estejamos acompanhados de familiares ou amigos?
Provavelmente, estamos tentando fugir de nós mesmos, talvez prisioneiros de um trabalho que não é “o nosso”, que visa exclusivamente valores materiais e o lucro a qualquer custo, mas que não agrega conhecimento e nem evolução da alma, nossa essência que ficou esquecida, largada numa pequena gaveta de nosso ser, lembrada somente nas horas da perda de um ente querido, de uma doença mais grave ou de um acidente aparentemente “casual” que nos tira do ar por algum tempo, obrigando-nos a interromper de vez aquele ritmo alucinado e fora de rumo. Nesta hora em que muitas vezes ficamos olhando horas e horas para o teto do quarto, sobra tempo para refletir, questionar a validade de nossa contribuição e de nosso foco principal, bem como a ética, a honestidade e a integridade da empresa.
Talvez estejamos esquecendo de nosso centro, aquele que permanece indissoluvelmente ligado à Fonte, ainda que fique tempo demais relegado a um lugarzinho escuro no meio do peito, na altura do coração. Coisas demais para fazer, a fim de manter o status, de adquirir os objetos que utilizamos (ou ostentamos), o carro que dirigimos, o celular superinteligente que sabe responder às nossas perguntas, ainda que seja em inglês. Ou para fazer aquela tão almejada viagem ao exterior, voltando cheios de mercadorias “da hora”, com o cartão de crédito em chamas, repletos de imagens exóticas para impressionar e matar de inveja nossos companheiros do Facebook.
Será que a vida se resume a isto? A um mero “faz de conta”?
Quase tudo isto é supérfluo, passageiro, não traz completude ou aquela profunda e sagrada sensação de felicidade. Talvez sirva mesmo para mostrar a quem vê que precisamos de ajuda, de transformação interior, de expandir a consciência, de acordar enfim do sono profundo no qual estamos imersos sem saber.
Já fui assim, vivi adormecido e distante da “verdade verdadeira” quase metade da minha vida, condicionado fortemente por valores que não me pertenciam, mas que aceitava como se não soubesse que sou o único dono de minha vida, de meu destino. Fui forçado a mudar pela dor, pela doença, olhando o teto… no entanto, não precisa ser assim, é normal e necessário que todos se libertem da ilusão e realizem no mínimo algo que valha a pena, lembrando sempre que podemos fazer da vida uma magnífica obra de arte. E todos receberão do Universo a ajuda necessária para tanto. Uma conspiração do bem.
A Transição planetária está avançando pontualmente com sua raiz de energia cristalina posicionando-se bem perto de nós, na fronteira sul entre Chile e Argentina, vindo a atingir sua força máxima na última semana deste mês de Fevereiro.
Os que já percebem o fluxo desta energia chegando encontram-se como que se preparando para a ação, serenos e pacientes, relaxando e meditando com frequência, evitando tarefas cansativas ou complexas, esperando que a energia se estabilize completamente e comece sua atuação bem definida, dando assim, de fato, início ao Novo Ciclo planetário.
Muitos aprenderam -ou estão aprendendo-, a navegar na quinta dimensão, onde tempo e espaço deixam de existir e a informação percorre os quatro cantos do Universo…
Com a Internet levando a mensagem da Luz instantaneamente a todos os interessados, a expansão da consciência torna-se cada vem mais ao nosso alcance, bastando querer, sendo suficiente um simples ato de nossa vontade, amparada suavemente pela vibração sutil da energia que está prestes a transbordar com a força de um vulcão, derramando Luz, Amor e conforto.
A informação preciosíssima tem um nome e está disponível à distância de um só clique do mouse. Canalizado pela Era de Cristal, vindo da “Consciência”, comentado pelos Irmãos amorosos das Plêiades, está à mão o manual para viver de acordo com os princípios do Novo Ciclo. Refiro-me ao Codex. As Leis Universais que libertam, amparam, esclarecem e pedem para perdoar, para lidar com a energia de maneira inteligente e consciente e que, ao serem incorporadas em nossos valores, transformam, iluminam, dão sentido à nossa existência, assim como ocorreu com a divulgação e a leitura de “As Cartas de Cristo”. Procure ler, entender, formar grupos de estudo, aprofundar o conhecimento destes dois pilares de sabedoria libertadores e profundos, que nos resgatam de tudo aquilo que durante séculos limitou nossa compreensão dos fatos da vida, manipulando e embotando nossa real essência, esmagando nossa potencialidade infinita e escondendo nossa divina linhagem.
Seja V. também um Mensageiro de Luz, um Buscador da Verdade, ou ainda um farol de Luz a iluminar a rota dos que estão fora de rumo, nossos Irmãos e Irmãs com os quais, cumprida nossa missão, voltaremos em júbilo à Fonte.
Finalmente.
Agradecemos a todos os amigos que colaboraram conosco com doações ao Site.
Para baixar sua versão do Codex, escolha: português, espanhol, italiano
Conheça o também Site da Era de Cristal. Agradecimentos especiais à Solange da Almenara Editora, que trouxe ao Brasil “As Cartas de Cristo”.
Namastê (o Deus que habita em mim saúda o Deus que existe em V.)
Sergio – STUM
Agradeço aqui os queridos e pacientes Guias e mais a turma toda que permite que o site exista: Rodolfo, Sandra, Teresa, Marcos, Anderson, Ian, Lidiane… e Você!
Participe, clique aqui e deixe seu comentário

 

©STUM direitos reservados. Boletim Ano 13, Edição 626 – id: 504580.
Este boletim foi enviado para 806.064 assinantes.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s