cérebro melhor

Se você não conseguir visualizar esta mensagem, acesse este link

Cérebro Melhor | Seu corpo precisa de exercícios. Seu cérebro também.

Newsletter

Cérebro Melhor

Nº 04 | 2013

Assine já! | Conheça nossos pacotes de assinatura e assine já o programa

Novidade

O chocolate pode ser bom para o cérebro

Novidade | O chocolate pode ser bom para o cérebro

Foto: Reprodução internet

Na Páscoa, não há como fugir da tentação do chocolate. Tudo gira em torno dessa iguaria feita de cacau, seja na forma de ovos, de barras, de coelhos e todas as suas variações. Porém, não precisamos nos sentir tão culpados assim se cairmos na tentação, pois o chocolate também pode trazer benefícios para o cérebro.
A melhoria do humor, redução da dor e da depressão são alguns desses benefícios. Outro é o aumento do colesterol bom e redução do colesterol ruim, o que é bom para o sistema circulatório e, consequentemente, para o cérebro. Mas, o curioso é que o chocolate parece fazer bem não só a nós humanos. Uma pesquisa recente descobriu que até lesmas podem se tornar mais inteligentes consumindo chocolate.

Leia o artigo completo no site do Cérebro Melhor

Desafio

Costurando

Desafio

Você deve encontrar a palavra que está oculta nesta confusão de letras. A única regra é que as letras da palavra precisam estar em casas contíguas na horizontal, vertical ou diagonal. Além disso, você não poderá usar a mesma casa duas vezes.
Dicas:
– tem 8 letras
– pertence ao tópico “Casa”
– letras na diagonal não são permitidas
Confira a resposta na newsletter da próxima semana.

Resposta

Resposta da semana anterior:
SAUDÁVEL

Jogo em Destaque

Um passeio pela cidade

Saiba mais

Categoria

Memória

Jogo em Destaque | Um passeio pela cidade

 

Pegue seus guias de viagem porque este jogo oferece um maravilhoso passeio por oito das mais belas cidades do mundo, incluindo Paris, Roma, Veneza e Londres. Escolha uma delas e prepare-se para um passeio pela cidade. Você deverá memorizar os nomes de monumentos famosos, juntamente com a sua localização em um mapa e a ordem em que deve visitá-los. A tarefa seguinte, claro, é lembrar disso tudo: quais monumentos você visitará em que partes da cidade, e em qual ordem.

Este jogo trabalha sua visão espacial e sua memória visual. É essa representação que lhe permite identificar visualmente objetos e as relações espaciais entre eles, e com o seu corpo. Usando a memória dessa representação, conseguimos criar um mapa cognitivo, ou mental, que serve como base para podermos adquirir, codificar, armazenar, evocar e decodificar informações sobre a identidade dos objetos e suas posições relativas no espaço que nos cerca.

A visão espacial e a memória visual são habilidades que nos permitem manipular e girar mentalmente informações no espaço, a partir de perspectivas diferentes. Boas habilidades visuo-espaciais são necessárias para se orientar nas ruas de uma cidade, para retraçar seus passos em meio a uma multidão, para lembrar-se de marcos e até para reconhecer que você está em um ambiente desconhecido.

_______________________________________________________________________

| ASSINE JÁ |

Conheça nossos pacotes de assinatura e escolha o mais adequado para você.

| SIGA-NOS |

TwitterOrkutFacebookRSS

| ENTRE EM CONTATO |

Se você tem dúvidas, sugestões ou recebeu esta mensagem com erro, por favor envie um email para contato@cerebromelhor.com.br ou responda diretamente este email.

© 2009 Cérebro Melhor - Todos os direitos reservados.


Para garantir que nossos comunicados cheguem em sua caixa de entrada,
adicione o e-mail contato@cerebromelhor.com.br ao seu catálogo de endereços.
As comunicações do Cérebro Melhor só são enviadas para quem efetivamente optou por recebê-las. Nós respeitamos sua privacidade e somos contra o spam na rede.
Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição aqui.

7 Comportamentos que os profissionais devem evitar no trabalho

Muitas pessoas passam mais tempo no trabalho do que em casa. Passar de 6 a 10 horas diárias com os colegas de trabalho pode dar uma falsa impressão de intimidade familiar e esse é um dos maiores perigos que um profissional pode correr. Existem alguns comportamentos que devem ser evitadas no local de trabalho, tais como fofocas, falta de postura, entre outras. Para conhecer esses e outros comportamentos intoleráveis e que devem ser evitados no local de trabalho conversamos com Alessandro Bender, Mestre em Ciências Cognitivas, especialista em neurociência em projetos de Marketing e Gestão de Pessoas no Brasil e Cíntia Bortotto, formada em psicologia e especialista em recursos humanos.

Esquecer que as pessoas têm emoções

clip_image001Imagem: Cartunista Alpino
Homens com comportamento explosivo e mulheres que têm TPMs intensas fiquem em alerta: “O descontrole emocional pode destruir uma carreira”, diz Alessandro Bender . A grande maioria das pessoas é movida pelas emoções, quando você desconta suas frustrações em alguém, essa pessoa pode revidar. Nesse caso o diálogo é a melhor forma resolver as crises. Não projetar nos outros suas expectativas nem ser muito exigente consigo mesmo é um bom caminho para uma vida profissional saudável.

Tratar seus superiores de igual para igual

clip_image002Imagem: Cartunista Alpino
Hierarquia é sempre hierarquia. Além dos superiores por cargo, ainda existem as pessoas são importantes para manter o seu emprego e que devem ser tratadas com a maior formalidade possível. Toda organização tem uma rede de relacionamentos que precisa ser observada. “É necessária atenção aos indivíduos Beta, que obtém privilégios a partir de contatos com os indivíduos Alpha. Uma pessoa Beta pode prejudicar mais a sua carreira que uma pessoa Alpha, fique atento à rede de relacionamentos dos profissionais Beta para não correr o risco de ter problemas”, complementa o consultor Alessandro Bender. Você não precisa ter medo dos seus superiores. Tenha com ele conversas francas, olhos nos olhos. Mantenha sempre o tom da voz amigável e o aperto de mão firme. Dessa forma você demonstrará segurança. Seja um bom funcionário, tome iniciativas em projetos e faça sugestões em reuniões. Demonstre liderança e não se acomode, pois você pode ir mais longe.

Menosprezar o seu trabalho ou o dos colegas

clip_image003Imagem: Cartunista Alpino
Segundo Alessandro, trabalhar e aparentar que faz com facilidade tudo o que é demandado pode se tornar uma “faca de dois gumes”. Seus colegas e superiores devem saber do seu esforço e dedicação para valorizá-lo. Embora o reverso dessa moeda também deva ser evitado, como fazer papel de sofrimento a cada tarefa delegada a você, também pode ser prejudicial. Não diga também que o trabalho dos outros é moleza e que você faria bem melhor. Evite opinar numa área que não é a sua, não tente discutir o que você não sabe. Se houver um problema administrativo na empresa deixe que o administrativo cuide disso. Ser o “Sr. Sabe Tudo” pode gerar incomodo entre seus colegas e seus superiores

Deixar para amanhã o que dá para fazer hoje

clip_image004Imagem: Cartunista Alpino
“O principal ponto de avaliação dos gestores é o desempenho. E o não cumprimento de prazos e metas é um dos comportamentos mais inaceitáveis pelo olhar deles”, comenta Cíntia Bortotto. Entregue suas atividades dentro do prazo e não se descuide da qualidade. A falta de comprometimento com as metas e para com a empresa faz do funcionário alguém dispensável e sujeito a uma demissão. Cuide também para não acumular mais tarefas do que você tem capacidade, mantenha os seus objetivos e só ajude os colegas de trabalho se as suas tarefas estiverem cumpridas. Não adianta fazer média e acabar prejudicando o seu serviço.

Não admitir os seus erros

clip_image005Imagem: Cartunista Alpino
Ninguém gosta de errar, mas faz parte da vida e todos sabem disto. É comum as pessoas justificarem os seus erros colocando a culpa em terceiros. Assumir a sua responsabilidade e tentar corrigir o que deu errado é o mais certo. A maioria das pessoas fala que a responsabilidade nunca é delas, foi alguém que não entregou o relatório na hora, ou o sistema que estava fora do ar. Assuma os seus erros e tente resolvê-los, em vez de jogar a responsabilidade nos outros.

Falar o que vem a cabeça

clip_image006Imagem: Cartunista Alpino
Você não deve esquecer que está no local de trabalho e que certos comportamentos e atitudes não são bem vistas. Falar o que vem a cabeça, utilizar de certa informalidade excessiva não é adequado. Evite palavras de baixo calão, fofocas sobre a vida dos colegas e até mesmo aquelas brincadeirinhas – de mau gosto – como apelidos pejorativos e que constrangem seus colegas. Um ambiente de trabalho saudável pode ter brincadeiras, mas tome bastante cuidado.

Falta de postura

clip_image007Imagem: Cartunista Alpino
A postura no local de trabalho deve ser muito priorizada. Você deve cuidar da postura como um todo, uma das mais importantes é a coluna ereta, “a não ser que você tenha algum problema na coluna, andar cabisbaixo e olhando para o chão não passa uma boa sensação para seus colegas”, diz Alessandro Bender . Dessa forma parece que você está sempre cansado, desmotivado ou inseguro, entre outras coisas. A postura não está relacionada apenas ao modo como você anda, tem a ver com o seu comportamento em geral. ” Normalmente vemos o uso de palavras de baixo calão ou vestimentas inadequadas, denotando um excesso de informalidade”, afirma Cíntia Bortotto. Tenha muito cuidado com as roupas que você usa, a não ser que seja a “sexta-feira informal” sempre opte por um look mais sóbrio e formal.

 

 

 

Decreto Federal Nº. 7.962, de 15.03.2013: Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico.

Fonte: Administração do Site, DOU, Seção I de 15.03.2013. P. 1, Edição Extra.
15/03/2013

Decreto Federal Nº. 7.962, de 15.03.2013: Regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto na Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990,
D e c r e t a:
Art. 1º Este Decreto regulamenta a Lei no 8.078, de 11 de setembro de 1990, para dispor sobre a contratação no comércio eletrônico, abrangendo os seguintes aspectos:
I – informações claras a respeito do produto, serviço e do fornecedor;
II – atendimento facilitado ao consumidor; e
III – respeito ao direito de arrependimento.
Art. 2º Os sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos utilizados para oferta ou conclusão de contrato de consumo devem disponibilizar, em local de destaque e de fácil visualização, as seguintes informações:
I – nome empresarial e número de inscrição do fornecedor, quando houver, no Cadastro Nacional de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda;
II – endereço físico e eletrônico, e demais informações necessárias para sua localização e contato;
III – características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à segurança dos consumidores;
IV – discriminação, no preço, de quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como as de entrega ou seguros;
V – condições integrais da oferta, incluídas modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega ou disponibilização do produto; e
VI – informações claras e ostensivas a respeito de quaisquer restrições à fruição da oferta.
Art. 3º Os sítios eletrônicos ou demais meios eletrônicos utilizados para ofertas de compras coletivas ou modalidades análogas de contratação deverão conter, além das informações previstas no art. 2o, as seguintes:
I – quantidade mínima de consumidores para a efetivação do contrato;
II – prazo para utilização da oferta pelo consumidor; e
III – identificação do fornecedor responsável pelo sítio eletrônico e do fornecedor do produto ou serviço ofertado, nos termos dos incisos I e II do art. 2o.

Art. 4º Para garantir o atendimento facilitado ao consumidor no comércio eletrônico, o fornecedor deverá:
I – apresentar sumário do contrato antes da contratação, com as informações necessárias ao pleno exercício do direito de escolha do consumidor, enfatizadas as cláusulas que limitem direitos;
II – fornecer ferramentas eficazes ao consumidor para identificação e correção imediata de erros ocorridos nas etapas anteriores à finalização da contratação;
III – confirmar imediatamente o recebimento da aceitação da oferta;
IV – disponibilizar o contrato ao consumidor em meio que permita sua conservação e reprodução, imediatamente após a contratação;
V – manter serviço adequado e eficaz de atendimento em meio eletrônico, que possibilite ao consumidor a resolução de demandas referentes a informação, dúvida, reclamação, suspensão ou cancelamento do contrato;
VI – confirmar imediatamente o recebimento das demandas do consumidor referidas no inciso, pelo mesmo meio empregado pelo consumidor; e
VII – utilizar mecanismos de segurança eficazes para pagamento e para tratamento de dados do consumidor.
Parágrafo único. A manifestação do fornecedor às demandas previstas no inciso V do caput será encaminhada em até cinco dias ao consumidor.
Art. 5º O fornecedor deve informar, de forma clara e ostensiva, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor.
§ 1º O consumidor poderá exercer seu direito de arrependimento pela mesma ferramenta utilizada para a contratação, sem prejuízo de outros meios disponibilizados.
§ 2º O exercício do direito de arrependimento implica a rescisão dos contratos acessórios, sem qualquer ônus para o consumidor.
§ 3º O exercício do direito de arrependimento será comunicado imediatamente pelo fornecedor à instituição financeira ou à administradora do cartão de crédito ou similar, para que:
I – a transação não seja lançada na fatura do consumidor; ou
II – seja efetivado o estorno do valor, caso o lançamento na fatura já tenha sido realizado.
§ 4º O fornecedor deve enviar ao consumidor confirmação imediata do recebimento da manifestação de arrependimento.
Art. 6º As contratações no comércio eletrônico deverão observar o cumprimento das condições da oferta, com a entrega dos produtos e serviços contratados, observados prazos, quantidade, qualidade e adequação.
Art. 7º A inobservância das condutas descritas neste Decreto ensejará aplicação das sanções previstas no art. 56 da Lei no 8.078, de 1990.
Art. 8º O Decreto no 5.903, de 20 de setembro de 2006, passa a vigorar com as seguintes alterações:
“Art. 10……………………………………………………………
Parágrafo único. O disposto nos arts. 2o, 3o e 9o deste Decreto aplica-se às contratações no comércio eletrônico.” (NR)
Art. 9º Este Decreto entra em vigor sessenta dias após a data de sua publicação.
Brasília, 15 de março de 2013; 192º da Independência e 125º da República.
DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo

 

 

 

Se você não está conseguindo visualizar este e-mail, clique aqui.

Informativo eletrônico – Edição 1182

Segunda-Feira, 25 de março de 2013

 

Prezado leitor,

Você está recebendo o Macro Visão. Veja os destaques desta edição:

Economia Brasileira

· Boletim Focus aponta para Taxa Selic em 8,50% no final de 2013

· Índice de Confiança do Consumidor recua pelo sexto mês consecutivo

· IPC-S acelera pela quarta quadrissemana seguida

Boletim Focus aponta para Taxa Selic em 8,50% no final de 2013

O Boletim Focus, divulgado nesta manhã (25/03) pelo Banco Central, aponta para uma taxa Selic de 8,50% no final de 2013. Essa é a terceira semana seguida em que as previsões para a Selic avançam – após 16 semanas de projeção em 7,25% – refletindo a pressão inflacionária, a qual influenciou o Copom a não indicar a manutenção da Selic em 7,25% por um período prolongado de tempo.

Após a medida de desoneração dos produtos da cesta básica ser anunciada pelo governo, a projeção para o IPCA sofreu revisões baixistas. O mercado aponta que o índice encerrará 2013 em 5,71%, – a segunda semana consecutiva de queda – abaixo da previsão da semana anterior, na ordem de 5,73%.

No que tange à atividade econômica, a projeção para o PIB de 2013 foi revisada para baixo pela segunda semana seguida. Os analistas esperam que a economia cresça 3,0% em 2013, patamar levemente inferior ao divulgado na semana passada (expansão de 3,03%). Por fim, segundo os analistas consultados pelo Banco Central, a produção Industrial também encerrará 2013 com aumento de 3,0%, mesma previsão da semana anterior.

Índice de Confiança do Consumidor recua pelo sexto mês consecutivo

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) recuou pelo sexto mês seguido, conforme divulgado na manhã de hoje (25/03) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ao passar de 116,2 pontos em fevereiro para 113,9 pontos em março, já descontados os efeitos sazonais. Os dois componentes do ICC contribuíram para a queda, dado que o Índice da Situação Atual recuou 3,4% na margem, enquanto que o Índice de Expectativas cedeu 1,5%. Segundo a FGV, os resultados mostram “que o consumidor brasileiro encontra-se hoje pouco satisfeito com a situação atual e neutro (nem otimista nem pessimista) em relação ao futuro próximo”.

O consumidor está menos satisfeito com a situação financeira atual da família, pois tal componente do ICC mostrou retração de 2,8% em março ante fevereiro, atingindo 110,3 pontos, o menor nível desde março de 2010. A proporção de consumidores que avaliam a situação financeira atual como boa encolheu de 25,1% para 23,1% entre fevereiro e março. Já o grau de otimismo acerca da situação financeira para os próximos seis meses cedeu 2,9%, e a parcela de consumidores que apontam melhora diminuiu de 42,3% para 39,0%.

IPC-S acelera pela quarta quadrissemana seguida

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou variação de 0,78% na terceira quadrissemana de março, nível superior em 0,15 ponto percentual em relação à ultima divulgação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), registrando assim a quarta quadrissemana seguida de aceleração para o índice.

Seis das oito classes pesquisadas apresentaram aceleração: Alimentação (de 1,39% para 1,42%), Saúde e Cuidados Pessoais (de 0,53% para 0,59%), Vestuário (de 0,51% para 0,68%), Comunicação (de 0,40% para 0,48%), Educação, Leitura e Recreação (de 0,31% para 0,32%) e Habitação (de 0,04% para 0,65%). Dentre tais grupos, merecem destaque os itens frutas (de 2,20% para 3,85%), medicamentos em geral (de 0,14% para 0,44%), roupas (de 0,58% para 0,71%), pacote de telefonia fixa e internet (de 0,63% para 1,40%) e show musical (de 3,02% para 3,13%). Em movimento oposto, os seguintes grupos apresentaram decréscimo: Transportes (de 0,78% para 0,60%) e Despesas Diversas (de 0,26% para 0,19%). Nesse caso, os destaques foram os itens gasolina (de 2,88% para 1,83%) e cigarros (de 0,07% para 0,00%).

Relatório divulgado em 25/03/2013

IPCA (%)

5,69

5,73

5,71

(2)

IGP-DI (%)

5,17

4,99

4,87

(3)

IGP-M (%)

5,20

5,17

5,12

(1)

IPC-Fipe (%)

5,32

5,15

5,26

(1)

Taxa de Câmbio – fim de período (R$/US$)

2,00

2,00

2,00

=

(4)

Taxa de Câmbio – média do período(R$/US$)

2,00

1,99

1,99

=

(1)

Meta da Taxa Selic – fim de período (%aa)

7,25

8,25

8,50

(3)

Meta da Taxa Selic – média do período (%aa)

7,25

7,69

7,81

(2)

Dívida Líquida do Setor Público(% do PIB)

34,50

34,10

34,50

(1)

PIB (% do crescimento)

3,10

3,03

3,00

(2)

Produção Industrial (% do crescimento)

3,10

3,00

3,00

=

(2)

Conta Corrente (US$ bilhões)

-63,10

-65,00

-65,00

=

(2)

Balança Comercial (US$ bilhões)

15,20

14,00

13,00

(4)

Invest. Estrangeiro Direto (US$ bilhões)

60,00

60,00

60,00

=

(15)

Preços Administrados (%)

3,25

3,20

3,00

(3)

*comportamento dos indicadores desde o último Relatório de Mercado; os valores entre parênteses expressam o número de semanas em que vem ocorrendo o último comportamento ( aumento, diminuição ou = estabilidade)

Fonte: Banco Central do Brasil – Relatório de Mercado/Focus.

O Boletim Focus é uma pesquisa realizada pelo Banco Central do Brasil com as principais instituições financeiras do País. Todas as estimativas ali apresentadas devem ser examinadas com bastante cautela, pois não significam compromisso do BACEN nem expressam a opinião da FIESP/CIESP.

Elaboração FIESP/CIESP
Com exceção dos indicadores marcados com *, os dados de 2005 a 2007 foram revisados pelo IBGE.

 

Copyright © 2011 Fiesp. Todos os direitos reservados.

Dúvidas e sugestões, clique aqui.

Se você não deseja mais receber esse informativo, clique aqui.

Macro Visão é uma publicação da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e
do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP)

Av. Paulista, 1313 – 5º andar – Cep 01311-923 – Tel.: 11 3549-4316
Diretor Titular do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos: Paulo Francini

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s