doário da saúde

  Últimas notícias do Diário da Saúde – 16 de Agosto de 2013

Seja feliz: seus genes agradecem e retribuem

Um bom estado de espírito – ou seja, a sua felicidade – afeta seus genes. Leia mais…

Facebook torna pessoas menos felizes, diz estudo

O Facebook ajuda as pessoas a se sentirem mais conectadas, mas isso não significa torná-los mais felizes – ao contrário. Leia mais…

Exercícios superam medicamentos na prevenção de Alzheimer

“Nenhum estudo mostrou que algum medicamento seja capaz de fazer o que mostramos ser possível com os exercícios.” Leia mais…

Parto induzido ou acelerado eleva risco de autismo em 35%

Mulheres grávidas cujos trabalhos de parto são induzidas ou acelerados podem ter um risco maior de ter filhos com autismo. Leia mais…

Pequi e babaçu: Frutas brasileiras em pó

Pesquisadoras desenvolveram uma técnica para industrializar duas frutas brasileiras, abrindo o caminho para a popularização de seu consumo. Leia mais…

Evangélicos já se manifestam favoravelmente à união homossexual

A tolerância em relação aos gays e lésbicas está crescendo dentro da comunidade evangélica, tida como um reduto contra a homossexualidade. Leia mais…

Oxitocina: hormônio do amor tem duas caras

Por muito tempo chamado de hormônio do amor, a oxitocina está começando a revelar seu lado negativo. Leia mais…

Comprimido digital avisa médico quando é ingerido por paciente

A aplicação também controla os efeitos dos remédios, avaliando se a dosagem está correta ou se está surtindo efeito. Leia mais…

Estudo identifica mutações genéticas associadas ao câncer

Foram identificadas 21 mutações do DNA que estariam relacionadas aos tipos mais comuns de tumores. Leia mais…

Inaugurada fábrica brasileira de biotecnologia

Serão produzidos hormônio de crescimento e interferon, uma proteína utilizada no tratamento de doenças virais. Leia mais…

Copyright 2006-2013 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados.

A perfeição almejada

Vivemos uma cultura que frisa a perfeição, diz Leo Buscaglia, professor Universitário na Califórnia.

Em sua obra vivendo, amando e aprendendo ele fala do drama dos pais que têm filhos excepcionais.

Desde o momento do parto, quando a criança deve ser mostrada à mãe, toda vez que a criança apresenta algum problema, os profissionais hesitam um pouco. Demoram mais para mostrar o bebê.

Quando nasce uma criança incapacitada, uma espécie de tristeza pesa sobre o hospital. Ora, este tipo de comportamento diz para a mãe, logo de início, que aconteceu alguma coisa. É o primeiro sintoma da rejeição que ela sente.

Assim, logo de início, o medo toma conta dos pais. E também um sentimento de culpa. “será que fiz algo errado, durante a gestação? “, se pergunta a mãe.

Logo em seguida, o outro medo que toma conta dos pais é ao se indagarem: “o que será do meu filho, no futuro? Conseguirá um trabalho? Conseguirá aprender a ler?”

É natural que todos desejem um filho perfeito. Não existe mãe, no mundo, que ao receber o bebezinho em seus braços, não conte de imediato os dedinhos dos pés e das mãos, observe se está tudo certinho com o seu filho.

Pearl Buck escreveu um livro a respeito de sua experiência como mãe de uma filha retardada.

Instruída, sensível, ela levou a sua filha a mais de cem pessoas diferentes. Viajou pelo mundo. É como se ela procurasse alguém que pudesse reverter aquela situação.

Então, encontrou um profissional que foi franco com ela e lhe disse: “olhe, a sua filha é muito retardada, mas vamos fazer todo o possível por ela. Vamos ajudá-la a aprender tudo o que puder. Mas pare de achar que ela vai ser um gênio. Pare com isso e vamos trabalhar. Vamos fazer o melhor que pudermos por ela. Não vamos estabelecer limites. Não vamos dizer que ela não pode aprender. Mas vamos dedicar todas as nossas energias a fazer tudo o que pudermos. Vamos parar de correr o mundo e nos concentrar em sua filha.”

A partir daquele momento, Pearl mudou de atitude e as coisas foram acontecendo. Cada conquista, uma vitória. Cada vitória muito e muito comemorada.

Um filho excepcional é um desafio. Confiado por Deus aos nossos cuidados, todos os dias nos convida a uma nova luta.

Quando ele nos olha, é como se perguntasse: “e hoje, o que você me ensinará? Vamos aprender juntos?”

Pensemos nisso. Afinal, se não temos um filho excepcional, podemos ter um sobrinho, um amigo, um conhecido, alguém, enfim, do nosso relacionamento.

Vamos investir nele o nosso amor.

***

Amemos os problematizados do corpo ou da mente, ou de ambos. Cooperemos com eles, com muita paciência e ternura, para que eles possam sair vitoriosos, ao termo de sua jornada terrena.

Enchamo-nos de carinho, de paciência, de tranqüilidade interior, vendo nesses seres frágeis as jóias abençoadas que o Pai nos confia para que as burilemos.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base nos livros Vivendo, amando e aprendendo de Leo Buscaglia, pgs. 59/60, e Nossas riquezas maiores, cap. 44, Editora Fráter

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s