O sono e os Sonhos

O Sono e os Sonhos – Texto Esotérico

www.FilosofiaEsoterica.com

A Consciência Superior do Ser Humano

Robert Crosbie

00000000000000000000000000000000000000000000000

O texto a seguir foi traduzido do livro  “The

Friendly Philosopher”, de Robert Crosbie,

Theosophy Co., 1945, 416 pp., pp. 258-263., e

publicado pela primeira vez no boletim eletrônico

mensal “O Teosofista”, em fevereiro de 2008. 

Seu título original é “Sleep and Dreams”. A

coleção completa de “O Teosofista” forma uma

seção independente em  www.FilosofiaEsoterica.com .

00000000000000000000000000000000000000000000000

Há alguma coisa em nós que entra no estado chamado de sonho, no estado chamado de sono, e no estado chamado de morte.  Nenhuma compreensão pode ser obtida dos estados a que passamos, e dos quais emergimos,  exceto com base na idéia de que existe um Ego, um pensador, um observador, um conhecedor, um experienciador, que ingressa nos estados e emerge deles, e de que este Ego, o verdadeiro ser humano, preserva a sua integridade em todos eles.

Nós somos mais do que qualquer um dos estados em que ingressamos, por mais admiração que possamos ter por algum destes estados.  Mesmo se imaginarmos que já alcançamos, ou que podemos alcançar o estado mais  elevado de inteligência e ação ― aquele que chamamos de  divino ―  somosnós que ingressamos nele.  Assim, uma compreensão dos estados nos quais ingressamos só pode ser obtida quando reconhecermos que existe um Algo em nós que atravessa todos aqueles estados; devemos, portanto, tentar entender o que é este algo, e começar o esforço exatamente onde nós estamos agora. Não podemos começar de qualquer outro lugar ou posição que não seja aquele em que estivermos no momento. 

O que descobrimos,  então? Que somos uma identidade continuada. Já passamos por muitas mudanças desde o nascimento até agora, mas nossa identidade não mudou, sejam quais foram as mudanças pelas quais ela necessitou passar. Quando temos este fato claramente fixado em nossas mentes, alcançamos o ponto da percepção de que há uma natureza imortal em cada um de nós; de que ela é divina em sua essência, e de que não é sujeita a mudanças, mas imutável.

Entramos no estado de sonho logo que saimos do corpo, antes de passar para o estado de sono sem sonhos; e,  antes de acordar, ele é novamente o estado de transição,  ao qual nós retornamos antes de reassumir o estado de vigília no corpo. Sabemos que temos todos os sentidos durante os sonhos, embora o corpo esteja quieto, e os órgãos dos sentidos não  estejam sendo usados. Podemos ver e sentir; nós escutamos, falamos e agimos, assim como fazemos no estado de vigília, mas sem usar os órgãos físicos associados com estas sensações e ações. Isto mostra que estamos conscientes, vivos, que existimos, embora o corpo não perceba coisa alguma. Sabemos, além disso, que a nossa identidade não é perturbada pelo ingresso no estado de sonho; somos nós mesmos, e mais ninguém, que está vivenciando aquele estado.

Sabe-se que o estado de sonho dura muito pouco, se comparado com o estado de vigília. É sabido que podemos vivenciar no sonho o que parece um período muito longo de tempo, embora a experiência não dure mais do que alguns segundos de acordo com o relógio.  Há uma parte do descanso de uma noite, de longe aquela  parte que é a maior, que só é conhecida por nós, durante o estado de vigília, como “o sono sem sonhos”.  Este é apenas o sono do corpo. O corpo fica  então quase como se tivesse sido inteiramente abandonado.  No entanto, o ser deve estar em algum lugar, porque ele existe o tempo todo, e é consciente, tendo a mesma identidade. Se isso não fosse verdade, nós não acordaríamos, ou então, ao acordar, haveria outro ser completamente diferente.

Os psicólogos ocidentais não foram além destas idéias, em  relação a sono e sonho.[1]  Eles não  sabem o que já era  sabido eras atrás e ainda é conhecido  hoje por alguns; que o Ego, o homem, o pensador, está mais completamente ocupado, e está mais em seu verdadeiro ser, durante o sono sem sonhos do corpo, do que em qualquer outro momento.  Por isso já se disse que o dia claro do corpo é a noite da alma, e a noite do corpo é o dia claro da alma. Quando o corpo  adormece, o verdadeiro homem fica ativo ao máximo, com o grau maior de inteligência,  mas pensando e agindo em um plano diferente dos planos que conhecemos durante a existência comum em estado de vigília.

Nada sabemos sobre o sono, embora digamos que passsamos por esta experiência. O que sabemos é que estamos ficando sonolentos ― isto é, que o corpo está ficando exausto ― mas o sono nunca vem a nós. Estamos acordados durante o dia; estamos conscientes; pensamos. Mas, quando acordados, a nossa capacidade de ver e saber se aplica quase exclusivamente a coisas externas de tipo material, de modo que aquilo que chamamos conhecimento ― conhecimento do estado de vigília ― é, praticamente, uma aplicação de todas as nossas forças à existência física, e só a ela.  Quando dormimos, o que ocorre?

Durante aquele intervalo, sabemos que o corpo está absolutamente sem responder a qualquer coisa externa. Não sabemos nem sentimos qualquer coisa que aconteça a nossos amigos. Podem ocorrer as piores calamidades ao nosso redor, mas nada saberemos sobre elas até que retomemos o controle do corpo. No entanto, devemos estar vivos, conscientes, e com a mesma identidade.  Isto coloca as nossas mentes diante da questão de por que, ou  como, ao acordar, nada sabemos daquela atividade em planos mais  elevados e completamente diferentes,  durante o sono profundo do corpo.

Temos dentro de nós, em estado suspenso, mas não esquecido nem inacessível, todo este conhecimento. Ele está registrado e inscrito em nossa natureza imperecível tão verdadeiramente quanto qualquer outro registro pode ser feito ― qualquer coisa pela qual tenhamos passado, cada aspecto da experiência, do conhecimento que tenhamos alguma vez  adquirido.  Quando dormimos ― isto é, quando o corpo dorme ― nós voltamos àquela fonte de conhecimento que está dentro de nós; mas  não “despertamos” pela manhã nem um pouco mais sábios. Como pode ocorrer que, possuindo um tal conhecimento, possuindo os poderes que pertencem ao Espírito imortal, à Inteligência divina, nós não possamos usá-los,  e não sejamos sequer conscientes da sua presença em nós?

Há uma lei conhecida como Carma, a lei da ação e da  reação, que tem sido enunciada da seguinte maneira:  “O que se planta, se colhe.”   Nós pensamos e atuamos, enquanto estamos no corpo, de um modo a  produzir um instrumento que contradiz a nossa verdadeira natureza.           Empregamos o poder da nossa inteligência para avaliar e usar coisas materiais ― coisas que pertencem a um nível de existência inferior ao nosso próprio ― e assim ficamos envolvidos com tais objetos.  O cérebro que usamos responde quase inteiramente a estas idéias inferiores, de modo que, quando retornamos a ele, ao acordar, não há nada no cérebro que possa receber a mais leve impressão  ou registro daqueles níveis de consciência pelos quais passamos.

Se somos seres que passam por altos níveis  de consciência durante o sono, como poderemos, em algum momento, recuperar o conhecimento deste nosso patrimônio? Se nos dizem que somos naturalmente divinos e não terrestres; que temos um passado imenso; que temos planos de consciência mais altos do que este e capacidade de agir naqueles planos ― qual é o efeito disso sobre nós? O que isso nos transmite? O que isso desperta em nós?  Isso não nos faz olhar a vida de um ponto de vista diferente daquele que estamos, até agora, acostumados a adotar?

Tudo o que fazemos na vida e cada resultado que colhemos é governado por alguma atitude mental que adotamos diante da vida. Se alguém é ateu, digamos, ou materialista, e pensa que a vida começou com este corpo e vai terminar com ele, todos os seus pensamentos e ações estarão sobre esta base. Mas se o indivíduo troca esta idéia pela premissa de que ele é imortal em sua natureza essencial, então este fato começa, por si mesmo, a provocar uma transformação.

O importante não é o que vivemos, mas o que aprendemos com a  vida. O que devemos desejar é conhecimento, e não  conforto ou posição social.  Nós desejamos conhecer porque, ao ter conhecimento,  percebemos a coisa certa a fazer e os pensamentos corretos a alimentar.  Já que pensamos o tempo todo, estamos tendo sempre pensamentos bons, maus ou indiferentes; e nossas ações são boas, más ou indiferentes ― conforme nossos pensamentos. Se começamos a pensar corretamente, damos uma direção àquela Força Espiritual que é a própria essência da nossa natureza. Se um homem pensar corretamente, se pensar e agir sem egoísmo, ele seguramente abrirá circuitos em seu cérebro que levarão a uma percepção e uma compreensão cada vez maiores da sua própria natureza. Quando alcançar determinado ponto, ele será capaz de perceber que,  seja qual for o estado da sua consciência  ―  em vigília, sonhando ou em sono sem sonhos,  e ainda que o corpo tenha passado para o estado chamado de morte ― não há cessação para ele.

Supondo que sejamos capazes de passar do estado de vigília para o sonho;  do sonho para o sono;   do sono para a morte;  e da morte para o renascimento em outro corpo ― e que passemos por todos estes estágios e mudanças sem uma só perda de memória, de modo que possamos não só manter uma memória intacta ao ir de estados inferiores para superiores, mas também trazê-la conosco ao vir de estados superiores para inferiores, ao longo de cada plano, e trazendo o conhecimento neste ou em outro corpo ― o que seríamos nós?  Seríamos, neste caso, exatamente o que somos. Saberíamos a relação que existe entre este plano e todos os outros. Poderíamos ler os corações das pessoas.  Poderíamos ajudá-las a  adotar um ponto de apoio mais elevado. Não seríamos mais iludidos pelas idéias que motivam a maior parte das pessoas.  Não lutaríamos mais por destaque ou posições sociais. Lutaríamos apenas por conhecimento, e por todo tipo de condições que nos permitissem ser mais capazes de ajudar e ensinar aos outros.  Quer estivéssemos em um corpo ou fora dele, nós estaríamos junto à Divindade o tempo todo.

É para despertar os seres humanos para uma compreensão da sua própria natureza e para o uso correto dos seus poderes que a Teosofia foi trazida novamente até eles, como foi feito em uma época após a outra, por Aqueles que são maiores do que nós ― Aqueles que passaram pelos mesmos estágios em que estamos agora ― nossos Irmãos Mais Velhos, os Cristos de todos os tempos, as Encarnações Divinas. São eles que vêm para lembrar-nos das nossas própris naturezas; e para despertar-nos para a ação, de modo que o que realmente somos possa ser conhecido e expressado por nós aqui, neste plano físico mais inferior, no qual estamos realizando nosso destino ― um destino feito por nós mesmos, um destino que só pode ser mudado por nós, pelo próprio poder daquele Espírito que nós somos.

Ninguém pode saber coisa alguma através de outra pessoa. Cada um tem que saber por si mesmo. Cada um deve fazer o seu próprio aprendizado. O objetivo da Teosofia é ensinar e mostrar ao ser humano o que ele é, e apresentar a ele a necessidade de que conheça a si mesmo.  Nenhuma  salvação vicária, nenhuma transmissão indireta de conhecimento é possível.  Mas pode ser indicado o rumo em que se encontra o conhecimento; os passos que nos levarão naquela direção podem ser mostrados;  e isso só pode ser feito por quem já trilhou o caminho antes. É exatamente essa tarefa que está sendo feita. Este tem sido o procedimento de todos os salvadores da humanidade. É a doutrina de Krishna, de Buddha, de Jesus, e também a doutrina de H. P. Blavatsky.  Os dois ensinamentos que o Ocidente necessita mais urgentemente são os do Carma e da Reencarnação, isto é, as doutrinas da esperança e da responsabilidade.  Carma, a doutrina  da responsabilidade, significa que tudo o que o homem plantar, colherá. Reencarnação, a doutrina da esperança, significa que, seja o que for que ele esteja colhendo agora, nunca haverá um tempo em que ele não possa plantar as  sementes de algo melhor.  O próprio fato de sofrer é uma bênção. O Carma e a Reencarnação nos mostram que o sofrimento é provocado por pensamentos e ações errados. Através da dor,  podemos chegar a uma compreensão de que estávamos em um rumo equivocado. Aprendemos através do nosso sofrimento.

A vida é uma grande escola que ensina a Ser, e já chegamos a aquele estágio em que  é a hora de compreender o propósito da existência; de assumir firmemente o comando do nosso ser. É hora de usar todos os meios que estão à nossa disposição,  nas diferentes dimensões  ― vigília, sonho, sono sem sonhos ou qualquer outro estado ―  para colocar toda a nossa vida em harmonia, de modo que o nosso  instrumento inferior possa estar “alinhado”,   e assim  seja, cada vez mais,  um reflexo da nossa natureza interiormente divina.

NOTA:

[1] Este texto foi escrito por Robert Crosbie entre 1909 e 1919.  (N. do T.).

00000000000000000

Visite sempre www.Filosofiaesoterica.com ,   www.TeosofiaOriginal.com  , www.VislumbresdaOutraMargem.comwww.AmigosdaTeosofia.com.

Acompanhe nosso trabalho no Facebook .  Siga-nos pelo Twitter .

Para ter acesso a um estudo diário da teosofia original, escreva a lutbr@terra.com.br e pergunte como é possível acompanhar o trabalho do e-grupo SerAtento.

00000000000000000000000000000000000000000000000000

Exibições: 113

Tags: Aveline, Blavatsky, consciência, crosbie,sonhos, sono, superior, teosofia

Curtir

5 membros curtem isto

CompartilharTwitter

 

 

O PI e o PHI

A respeito desse assunto , há dois livros óptimos : ”Deus é matemático ? ”e ”A Razão Áurea”, de Mario Livio.
Todos nós já ouvimos falar em número Pi. É o irracional mais famoso da história, com o qual se representa a razão constante entre o perímetro de qualquer circunferência e o seu diâmetro.

Equivale  a: 3,141592653589793238462643383279502884197169399375… e é conhecido vulgarmente como 3,1416.
Não confundir com o número Phi que corresponde a 1,618.
O número Phi (letra grega que se pronuncia “fi”) apesar de não ser tão conhecido, tem um significado muito mais interessantee.
Durante anos o homem procurou a beleza perfeita, a proporção ideal.
Os gregos criaram então o retângulo de ouro. Era um retângulo, do qual extraiu-se uma proporção: o lado maior dividido pelo lado menor. E a partir dessa proporção tudo era construído. Assim eles fizeram o Parthenon: a proporção nos retângulos que formam a face central e a lateral; a profundidade dividida pelo comprimento ou altura; tudo seguia uma proporção ideal de 1,618.
Os Egípcios fizeram o mesmo com as pirâmides: cada pedra era 1,618 menor do que a pedra de baixo, ou seja, a de baixo era 1,618 maior que a de cima, que era 1,618 maior que a da 3ª fileira e assim por diante.
Durante milênios, a arquitetura clássica grega prevaleceu. O retângulo de ouro era padrão. Mas, depois de muito tempo veio a construção gótica com formas arredondadas, que não utilizavam o retângulo de ouro grego.
No ano 1200, contudo, Leonardo Fibonacci um matemático que estudava o crescimento das populações de coelhos, criou aquela que é provavelmente a mais famosa seqüência matemática, a Série Fibonacci.
A partir de 2 coelhos, Fibonacci foi contando como eles
aumentavam. A partir da reprodução de várias gerações chegou a uma seqüência onde um número é igual a soma dos dois números anteriores: 1 2 3 5 8 13 21 34 55 89 ..

1+1=2
2+1=3
3+2=5
5+3=8
8+5=13
13+8=21
21+13…e assim por diante.
Aí entra a 1ª “coincidência”: a proporção de crescimento média da série é… 1,618 (o número Phi). Os números variam, um pouco acima às vezes, em outras um pouco abaixo, mas a média é 1,618 – exatamente a proporção das pirâmides do Egito e do retângulo de ouro dos gregos. Então, essa descoberta de Fibonacci abriu uma nova idéia de tal proporção, a ponto de os cientistas começaram a estudar a natureza em termos matemáticos e começaram a descobrir coisas fantásticas.

Por exemplo:
– A proporção de abelhas fêmeas em comparação com abelhas machos numa colméia é de 1,618;
– A proporção que aumenta o tamanho das espirais de um caracol é de 1,618;
– A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais sementes de um girassol é de 1,618;
– A proporção em que se diminuem as folhas de uma árvore à medida que subimos de altura é de 1,618;
E não só na Terra se encontra tal proporção. Nas galáxias, as estrelas se distribuem em torno de um astro principal numa espiral obedecendo à proporção de 1,618.
Por isso, o número Phi ficou conhecido como
A DIVINA PROPORÇÃO
Por que os historiadores religiosos descrevem que foi a beleza perfeita que Deus teria escolhido para fazer o mundo?
Por volta de 1500, com o retorno do Renascentismo, a cultura clássica voltou à moda.
Michelangelo e, principalmente Leonardo da Vinci, grandes amantes da cultura pagã, colocaram esta proporção natural em suas obras. Mas Da Vinci foi ainda mais longe: ele, como cientista, usava cadáveres para medir as proporções do corpo humano e descobriu que nenhuma outra coisa obedece tanto a DIVINA PROPORÇÃO do que o corpo humano… obra prima de Deus.
Por exemplo:

– Meça sua altura e depois divida pela altura do seu umbigo até o chão: o resultado é 1,618.
– Meça seu braço inteiro e depois divida pelo tamanho do seu cotovelo até o dedo: o resultado é 1,618.
– Meça seus dedos, ele inteiro dividido pela distância da dobra central até a ponta ou da dobra central até a ponta dividido pela segunda dobra: o resultado é 1,618;
– Meça sua perna inteira e divida pelo tamanho do seu joelho até o chão. O resultado é 1,618;
– A altura do seu crânio dividido pelo distância da sua mandíbula até o alto da cabeça dá 1,618;
– Da sua cintura até a cabeça e depois só o tórax: o resultado é 1,618;
Considere sempre erros de medida da régua ou fita métrica, que não são instrumentos precisos de medição.
Tudo, cada osso do corpo humano, é regido pela Divina Proporção.
Coelhos, abelhas, caramujos, constelações, girassóis, árvores, arte e o homem, coisas teoricamente diferentes, são todas ligadas numa proporção em comum.
Até hoje essa é considerada a mais perfeita das proporções.

Não por acaso é usada, hoje, pelos “inteligentes” no nosso dia-a-dia: meça seu cartão de crédito, largura / altura, seu livro, seu jornal, uma foto revelada. Lembre-se de considerar sempre possiveis erros de medida da régua ou fita métrica.
Encontramos ainda o número Phi em famosas sinfonias como a 9ª de Beethoven, e em muitas outras obras.
E… isso tudo seria uma mera coincidência?…

PAI NOSSO DO WEB SITE EUSOULUZ.COM.BR

Pai Nosso, que estais no Céu,
Santificado seja o Vosso Nome,
EU SOU O QUE EU SOU,

Venha a nós o Vosso Reino, 
Seja feita a Vossa Vontade,
Assim na Terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia, nos dai hoje.

Perdoai as nossas ofensas,
Assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido.

Libertai-nos das tentações,  e
Livrai-nos de todo o  mal.

Porque
Vosso é o Reino,
Vosso é o Poder,
e Vossa é a Glória,
Para Todo o Sempre Manifestada,

Eu Sou na Terra, Assim como Eu Sou no Céu

Amém

ORAÇÃO PARA AGRADECIMENTO – DO SITE EUSOULUZ

Precisamos aprender a agradecer à Deus todos os domingos. Este é o dia em que nada pedimos ao Pai, apenas agradecemos pelo que Ele nos deu durante toda a semana. A gratidão é uma chave para o sucesso da conclusão de nosso plano divino. A oração abaixo foi construída utilizando o “Pai Nosso”:

ORAÇÃO DE GRATIDÃO AO PAI

Agradecemos, agora,
Pai Nosso que estais no Céu,
por esta semana abençoada que nos destes.

Agradecemos Pai,
por Vosso sagrado nome,
EU SOU O QUE EU SOU.

Agradecemos Pai,
por vivermos em Vosso reino
e por conseguirmos cumprir com a Vossa vontade,
assim na Terra como no Céu.

Agradecemos Pai,
pelo pão nosso de cada dia, que nos tendes dado,
e por perdoardes as nossas ofensas,
assim como nós também temos perdoado
a quem nos tem ofendido.

Agradecemos Pai,
por nos ter libertado das tentações, 
e por nos ter livrado de todo o mal.

Porque Pai,
Vosso é o reino,
Vosso é o poder e
Vossa é a glória,
para todo o sempre manifestada em nossas vidas.

Pai, Eu Sou grato, hoje;
porque Eu Sou na Terra,
assim como Eu Sou,
em vosso coração no Céu.

Amém.


O PAI NOSSO DE PARAMAHANSA YOGANANDA

Pai, Mãe, Amigo e Bem Amado Deus. . .

Que a pronunciação incessante e silenciosa do Teu
Sagrado nome, conduza-nos à Tua semelhança.

Inspira-nos, para que a nossa adoração as coisas materiais,
se transforme em adoração à Ti.

Que através da pureza de nossos corações,
possa Teu reino de perfeição vir
à terra e liberar todas as nações do sofrimento.

Que a nossa vontade se torne mais forte ao vencer os desejos mundanos e
sintonize-se afinal com Tua vontade perfeita.

Dá-nos o pão de cada dia, alimento, saúde e prosperidade
para o corpo; eficiência para a mente e sobretudo,
Teu amor e sabedoria para a alma.

É tua lei que diz:
“Com a mesma medida com que medirdes, também vos medirão”.

Que possamos perdoar aqueles que nos ofendem,
sempre atentos à nossa própria necessidade
de Tua imerecida misericórdia.

Não nos abandones no abismo das tentações em que caímos,
pelo mal uso que temos feito da razão que nos concedeste.

E quando for Tua vontade submeter-nos à prova, oh Espírito,
permite-nos compreender que Tu és muito mais fascinante
do que qualquer tentação terrena.

Ajuda-nos a livrar-nos das tenebrosas
cadeias do nosso único mal: não conhecer-Te.

Porque Teu é o Reino, o Poder e a Glória
pelos séculos e séculos.

Amém


PAI NOSSO DA IGREJA PENTECOSTAL

Pai nosso que estás nos céus,
santificado seja o teu nome;

venha o teu reino,
seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu;

       o pão nosso de cada dia nos dá hoje;
e perdoa-nos as nossas dívidas,
assim como nós também temos perdoado
aos nossos devedores;

e não nos deixes entrar em tentação;
mas livra-nos do mal.

Porque teu é o reino
e o poder,
e a glória,
para sempre,

Amém.


PADRE NOSTRO – ITALIANO

Padre Nostro chi sei in celi
sia santificato il tuo nome

venga il tuo regno
sia fatta la tua volontà
come in celo cosi in terra

Dacci oggi il nostro pane quotidiano
i rimetti a noi i nostri debiti
come noi li remittiamo ai nostri debitori

e non c’indurre in tentazione
ma libraci dal male
Così sia.


PAI NOSSO – DA BÍBLIA – ALMEIDA CORRIGIDA

Pai nosso, que estás nos céus,
santificado seja o teu nome;

Venha o teu reino,
seja feita a tua vontade,
assim na terra como no céu;

O pão nosso de cada dia nos dá hoje;
E perdoa-nos as nossas dívidas,
assim como nós perdoamos
aos nossos devedores;

E não nos induzas à tentação;
mas livra-nos do mal;

porque teu é o reino,
e o poder,
e a glória,
para sempre.

Amém.


PAI NOSSO –  DA SOCIEDADE BÍBLICA DO BRASIL

Pai nosso, que estás no céu,
que todos reconheçam que o teu nome é santo.

Venha o teu Reino.
Que a tua vontade seja feita
aqui na terra como é feita no céu!

Dá-nos hoje o alimento que precisamos.
Perdoa as nossas ofensas
como também nós perdoamos
as pessoas que nos ofenderam.

E não deixes que sejamos tentados,
mas livra-nos do mal.

Pois teu é o Reino,
o poder
e a glória,
para sempre.

Amém!


O PAI NOSSO ENTOADO PELOS BRASILEIROS

Pai nosso que estais no céu
santificado seja o vosso nome;

venha a nós o vosso reino,
seja feita a vossa vontade,
assim na Terra como no céu.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje;

Perdoai-nos as nossas ofensas,
assim como nós perdoamos
a quem nos tem ofendido;

e não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do mal.

Amem.


PAI NOSSO EM LATIM

Pater noster, qui es in cælis:
sanctificétur nomen tuum;

advéniat regnum tuum;
fiat volúntas tua sicut in cælo, et in terra.

Panem nostrum cotidiánum da nobis hódie;
et dimítte nobis débita nostra,
sicut et nos dimíttimus debitóribus nostris;

et ne nos indúcas in tentatiónem; s
ed líbera nos a malo.

Amen.


O PAI-NOSSO DO EU SOU – DA SUMMIT LIGHTHOUSE

Pai nosso que estais no Céu,
Santificado seja o Vosso nome EU SOU.

EU SOU o Vosso Reino manifestado
EU SOU a Vossa Vontade que está sendo cumprida
EU SOU na Terra assim como EU SOU no Céu

A todos eu dou hoje o pão de cada dia
Eu perdôo neste dia a toda a Vida
E EU SOU também o perdão que ela me estende

Eu afasto todo homem das tentações
Eu liberto todo homem de qualquer situação nefasta

EU SOU o Reino
EU SOU o Poder e
EU SOU a Glória de Deus
em manifestação eterna e imortal —
Tudo isto EU SOU.

Amém


PAI NOSSO EM ARAMAICO – TRADUZIDO PARA PORTUGUÊS

ABVUM D’BASHMAÍA
” Pai-Mãe, respiração da Vida,
Fonte do som, Ação sem palavras, Criador do Cosmos!
Faça sua Luz brilhar dentro de nós, entre nós e fora de nós
para que possamos torná-la útil.

NETCÁDASH SHIMÓCH
Ajude-nos a seguir nosso caminho
Respirando apenas o sentimento que emana do Senhor.

TETÊ MALCUTÁCH UNA
Nosso EU, no mesmo passo, possa estar com o Seu,
para que caminhemos como Reis e Rainhas
com todas as outras criaturas.

NEHUÊ TCEVIANÁCH AICANA D’BASHIMÁIA AF B’ARHA
Que o Seu e o nosso desejo, sejam um só,
em toda a Luz, assim como em todas as formas,
em toda existência individual, assim como em todas as comunidades.

HÔVLAN LÁCMA D’SUNCANÁN IAOMÁNA
Faça-nos sentir a alma da Terra dentro de nós,
pois, assim, sentiremos a Sabedoria que existe em tudo.

UASHBOCAN HÁUBEIN UAHTEHÍN AICÁNA DÁF QUINAN SHBUOCÁN L’HAIABÉIN
Não permita que a superficialidade e a aparência das coisas do mundo nos iluda, 
E nos liberte de tudo aquilo que impede nosso crescimento.

UÊLA TAHLAN L’NESIÚNA. ÊLA PATSSAN MIN BÍXA
Não nos deixe ser tomados pelo esquecimento
de que o Senhor é o Poder e a Glória do mundo,
a Canção que se renova de tempos em tempos
e que a tudo embeleza.

METÚL DILÁHIE MALCUTÁ UAHÁILA UATESHBÚCTA LÁHLÁM.
Possa o Seu amor ser o solo onde crescem nossas ações. 

ALMÍN
Amém


PAI NOSSO – ANÔNIMO

Será inútil dizer – “Pai Nosso” se em minha vida não tomo atitudes como filho de Deus, fechando meu coração ao amor.

Será inútil dizer  – “que estais nos céus” se os meus valores são representados pelos bens da terra.

Será inútil dizer – “santificado seja o vosso nome” se penso apenas em ser cristão por medo, superstição e comodismo.

Será inútil dizer – “venha a nós o vosso reino” se acho tão sedutora a vida aqui, cheia de supérfluos e futilidades.

Será inútil dizer – “seja feita a vossa vontade aqui na terra como no céu” se no fundo desejo mesmo é que todos os meus desejos se realizem.

Será inútil dizer – “o pão nosso de cada dia nos daí hoje” se prefiro acumular riquezas, desprezando meus irmãos que passam fome.

Será inútil dizer – “perdoai as nossas ofensas” “assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido” se não me importo em ferir, injustiçar, oprimir e magoar aos que atravessam o meu caminho.

Será inútil dizer – “e não nos deixais cair em tentação” se escolho sempre o caminho mais fácil, que nem sempre é o caminho de Deus.

Será inútil dizer – “livrai-nos do mal” se por minha própria vontade procuro os prazeres materiais, e se tudo o que é proibido me seduz.

Será inútil dizer  – “Amém” porque sabendo que sou assim, continuo me omitindo e nada faço para me modificar.


O PAI NOSSO DOS TEMPLÁRIOS

SENHOR, perdoa-me se não rezo a oração que teu filho nos ensinou,  pois julgo-me indigno de tão bela mensagem. Refleti sobre esta oração e cheguei às seguintes conclusões:

Para dizer o PAI NOSSO,
antes devo considerar todos os homens,
independentemente de sua cor, raça, religião, posição social ou política,
como meus irmãos, pois eles também são teus filhos;
devo amar e proteger a natureza e os animais,
pois se tu és meu pai, também és meu criador, e quem criou a mim, também criou a natureza.

Para dizer QUE ESTAIS NO CÉU,
devo antes fazer uma profunda análise em minha consciência,
procurando lembrar-me de quantas vezes te julguei como um celestial pai,
pois, na realidade, sempre vivi me preocupando com coisas materiais.

Para dizer SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME,
devo antes verificar se não cometi sortilégios ao adorar outros deuses até acima de ti.

Para dizer VENHA À NÓS O VOSSO REINO,
devo antes examinar minha consciência e procurar saber se não digo isto apenas por egoísmo,
querendo de ti tudo, sem nada dar em troca.

Para dizer SEJA FEITA A VOSSA VONTADE,
devo antes buscar meu verdadeiro Ser e deixar de ser um falso Cristão,
pois a tua vontade é a união fraternal de todos os seres que criaste.

Para dizer ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU,
devo antes deixar de ser mundano e me livrar dos desenfreados prazeres, das orgias, do orgulho e do egoísmo.

Para dizer O PÃO NOSSO DE CADA DIA NOS DAI HOJE,
devo antes repartir o pão que me destes com os meus irmãos mais carentes e necessitados,
pois é dando que se recebe; é amando que se é amado.

Para dizer PERDOAI AS NOSSAS OFENSAS, ASSIM COMO TEMOS PERDOADO À QUEM NOS TEM OFENDIDO, devo antes verificar se alguma vez tornei a estender a minha mão aquele que me traiu; se alimentei àquele que me tirou o pão; se dei esperanças e acalentei àquele que me fez chorar; pois só assim terei perdoado àquele que me ofendeu.

Para dizer E NÃO NOS DEIXAI CAIR EM TENTAÇÃO, MAS LIVRA-NOS DO MAL,
devo antes deixar limpo o foco de meus pensamentos; amparar a mão estendida;
socorrer o pedido de aflição; alimentar a boca faminta; iluminar os cegos e amparar os aleijados, ajudando a construção de um mundo melhor.

E final mente, para dizer AMÉM,
deverei fazer tudo isso agradecendo ao meu Criador,
cada segundo de minha vida, como a maior dádiva que poderia receber.
No entanto Senhor, embora procure assim proceder, ainda não me julgo suficientemente forte,
no intuito de tudo isto te prometer e cumprir.

Perdoa-me, Senhor meu Pai, porém minha perfeição a tanto ainda não chegou.

O Templário


PAI NOSSO POR LAURO TREVISAN

PAI NOSSO QUE ESTÁS NO CÉU
Sim, estás no Céu da mente
De todo ser existente
Que sabe no céu viver…
És meu Pai, meu Paraíso,
Se eu ligar-me em teu poder.

SANTIFICADO SEJA O VOSSO NOME…
Porque o teu nome é sagrado
Está sempre bem guardado
Em todo Bem deste mundo.
Está no homem, na planta,
Na fera, na ave que canta,
No céu ou no mar profundo.

VENHA A NÓS TEU REINO…
O teu reino é a Verdade,
É o amor de toda idade,
É a alegria de viver…
É a saúde perfeita,
É o prazer de quem aceita
Que tu estás em todo ser.

SEJA FEITA A TUA VONTADE
A tua santa vontade,
É me dar felicidade,
é me ligar só no Bem…
É me dar logo em seguida,
As boas coisas da vida
que eu desejo também.

ASSIM NA TERRA como no céu…
Deus está na matéria,
Porque Deus não é Miséria
Porque Deus é perfeição.
Se meu corpo está doente,
Liga-me em Deus novamente
E fico de novo são!

Assim na terra COMO NO CÉU…
A mente é um céu eterno,
Ou, então, o próprio inferno,
Que no início se traz.
Mas fazendo a tua vontade
Terei um céu de verdade,
De harmonia, amor e paz.

O PÃO NOSSO DE CADA DIA…
O pão é a própria abundância
Que eu pedindo com instância,
Alcanço em qualquer lugar,
hoje, amanhã, cada dia,
Porque o universo irradia
Tudo que eu mentalizar.
O pão nosso é a riqueza,
Saúde, emprego, salário,
Alimento, vestuário,
terra que planto e que piso…
Pão nosso é paz, harmonia,
Amor e sabedoria,
E tudo de que preciso.

NOS DAI HOJE…
Foi na verdade por isto,
Que me ensinou Jesus Cristo:
Pede e tu receberás.
O que pedires ao Pai,
Se tua mente não sai,
Tu sempre conseguirás

PERDOA NOSSAS OFENSAS…
Sei que em Ti não há castigo,
Pois sou eu mesmo que ligo
O meu poder destruidor.
Quando entro em desarmonia
Eu produzo a avaria
Que me traz doença e dor.

ASSIM COMO NÓS PERDOAMOS A QUEM NOS TEM OFENDIDO…
Eu entendi o sentido
e sei que é assim que se faz.
Quem perdoa como deve,
Tem a mente limpa e leve,
Tem saúde e vive em paz.

NÃO DEVEIS CAIR EM TENTAÇÃO…
Na tentação negativa
De tudo aquilo que priva
A gente de ser feliz.
Só ligo meu pensamento
Em Deus a todo momento,
E Deus sempre me bendiz.

MAS LIVRAI-NOS DO MAL
O mal sou eu que o crio
Quando eu mesmo me desvio
Da Harmonia do Bem divino.
Só quero, neste momento,
Entender que é o pensamento
Que Contigo tudo Cria.

Amém.

 

AULA SOBRE O PAI NOSSO

Esta poderosa oração ensinada por Jesus Cristo, quando feita com amor e devoção, pode reverter até mesmo condições planetárias extremamente negativas.

Quando você ora o Pai Nosso concentrando a atenção na Presença de Deus, o seu coração vai se abrindo, abrindo em um caminho de Luz, através do qual podem passar 10.000 x 10.000 anjos.

E os anjos sabem como fazer o trabalho, como curar as Nações, libertar a juventude do álcool, das drogas e da nicotina, libertar os cativos, curar os doentes, proteger as criancinhas. Eles sabem porque são unificados a Deus. Os anjos não têm senso de separação de Deus.

Esta oração não é uma prece ou súplica, ela consiste de sete Ordens dadas pelo Filho, aquele que tem maturidade e intimidade com o Pai. O Filho de Deus que conhece a Lei escrita em Isaías “Comande-Me.” Esta passagem ensina que devemos comandar a energia de Deus.

“As sete frases do Pai Nosso correspondem aos Sete Raios da consciência de Deus, aos sete dias da Criação, as sete esferas do Corpo Causal, as sete Eras de Dispensação de 2.000 anos cada (estaríamos agora entrando na 7ª Era que é a Era de Aquários) e aos sete passos para a Ciência da Precipitação.”

O Pai Nosso começa com uma invocação: “Pai Nosso que estais no céu”

Jesus ensinou isso e Ele disse Pai Nosso, meu, teu, e dele, Jesus. Ele nunca disse que era o único Filho. Somos todos Filhos de Deus e Jesus mostrou-nos o caminho de volta ao Lar, ensinou passo a passo como fazer para incorporar o Cristo, este sim, o Filho Unigênito do Pai.

Jesus tornou-se esse Cristo em Pessoa aqui na Terra, para que pudéssemos aprender com Ele a também incorporar o Cristo.

Todo Filho de Deus deve atingir essa consciência crística e para isso deve passar pelas iniciações que Jesus passou. Só que Ele passou por uma Paixão em algumas horas e nós temos algumas vidas para fazer o mesmo. A Transfiguração que vem através da auto transcendência, do auto aperfeiçoamento. Cumprir a missão até o final, transmutar o carma pessoal e, finalmente, chegar à Ascensão, à imortalidade da alma.

Nesta invocação chamamos o Pai, Pai Nosso que estás no céu. Vós que estás aí no céu, no Reino espiritual, no Reino da Perfeição, ouve o meu chamado. EU SOU teu filho, derrama sobre mim Tua Luz purificadora, curativa.

Este chamado abre o caminho para uma conexão da alma com o Espírito de Deus. É como fazer a ligação por telefone.

1ª Ordem – 1° Raio: “Santificado seja o Vosso Nome”.

Modo absolutamente imperativo. Esta primeira ordem está inserida no primeiro Raio. O Raio Azul da Vontade Divina, da proteção e direção divina.

Quando dizemos Santificado seja o Vosso Nome, estamos, pelo livre arbítrio, elevando nossa energia ao alto, buscando a união com o Pai, santificando, reverenciando, aceitando, louvando o seu Santo e Poderoso Nome.

Pela própria decisão queremos qualificar bem nossa energia e buscar uma direção divina. Isto é, elevar a energia para o alto, para o plano espiritual e, através desta mesma corrente, magnetizar luz que é vida, que é benção aqui para o plano físico.

Aqui damos uma ordem à Palavra para reverenciar a Deus. Isto cumpre as condições da vontade de Deus, para em tudo se reverenciar o Seu Nome.

2ª Ordem – 2° Raio: “Venha a nós o Vosso Reino”.

Quando esta frase é pronunciada, a energia do 2º Raio é magnetizada. É a luz dourada da sabedoria, da iluminação que ilumina a consciência. A palavra Reino significa consciência. Portanto, é o Filho ordenando que a consciência de Deus seja nossa consciência, elevando nossa mente até a consciência cósmica.

É fazer a escolha que conduz à imortalidade da alma. É o mesmo quer dizer: Eu estou optando pelo Reino espiritual. Porque eu quero materializar Deus. Eu quero a consciência de Deus e não mais a minha consciência limitada e humana.

Eu quero ser Deus em ação aqui e agora. Eu quero carregar a Luz de Deus para que Seu Reino seja manifestado aqui na Terra, para uma economia divina, governo divino das Nações, para uma política divina, um sistema educacional divino. Para que a Luz de Deus se manifeste nas artes, na ciência, na medicina e em todas as áreas.

3ª Ordem – 3° Raio: “Seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu.”

Ao dizer esta frase, o suplicante está magnetizando o Raio rosa do Amor Divino, 3º Raio, pois a devoção à vontade de Deus é uma questão de imenso amor. É necessário muito amor para vencer a rebeldia contra Deus. Mesmo os místicos, que já caminham na senda iniciática, ainda têm dentro de si, pontos de rebeldia à Lei.

Quando o indivíduo conhece a Lei Cósmica, aplica esta lei em sua vida diária e observa os magníficos resultados, isto faz expandir o Raio rosa do Amor à Lei em seu coração.

A vontade de Deus é boa. “Seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu”. Isto é ordenar que a maravilhosa e sábia vontade de Deus seja manifestada aqui na Terra, agora mesmo, tanto quanto no Céu.

4ª Ordem – 4° Raio: “O Pão Nosso de cada dia nos dai hoje”.

É o Raio branco da Pureza. É a luz da Mãe que tudo provê a seus filhos. É a luz que vem através do cordão de cristal, penetrando o chakra coronário. Vai até o chakra do coração através do mediador, o Santo Cristo Pessoal e a luz, vida, energia é então qualificada com a necessidade do momento; comida, dinheiro, roupa, razão de viver… É o rio da vida que pode fluir com mais intensidade se o indivíduo conseguir manter harmonia, evitar ressentimentos, mágoas e irritação que bloqueiam a abastança.

Esta 4ª Ordem denota uma intimidade do filho em comunhão com o Pai. Quando o filho trabalha com o Pai, ele não implora nada. Ele simplesmente diz: Papai, eu preciso de um carro. Como a criança ao sentir frio diz: Mamãe eu quero um agasalho. Ela não se preocupa antes, não pensa que pode esfriar, simplesmente pede na hora que sente o frio.

É esta despreocupação com as coisas materiais que precisamos atingir, sabendo que temos direito a ter tudo que necessitamos quando cumprimos a nossa parte. O Filho é parte do Pai, criado por Ele à sua imagem e Semelhança. O Pai, o Filho e o Espírito Santo são na verdade um só Deus, uma só energia, a mesma Luz.

O homem é uma manifestação da Luz desse Deus Único e aqui está para aprender a trabalhar com a energia. Decidindo, a cada minuto, através do livre arbítrio, a qualificação correta ou incorreta da energia. A alma tem a potencialidade divina e, usando com amor esta oportunidade, pode tornar-se imortal atingindo sua cristicidade e manifestar a luz de Deus em ação aqui na Terra, com muita intensidade.

5ª Ordem – 5° Raio: “Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

A Lei do perdão é básica e fundamental para o fluir da energia de abundância e prosperidade. “Quando perdoamos, estamos enviando um fluxo de amor de nosso coração para o coração da pessoa a quem perdoamos.” Esse amor dissolve o ódio, a mágoa, ou qualquer outro tipo de energia negativa.

Deus envia-nos amor e nós somos reconstituídos pela sua Luz e seu Amor. O 5º Raio é o Raio verde esmeralda que carrega para a humanidade a Chama da Verdade, da Cura, da Abundância.

Sobre perdão, já falamos em capítulo passado. Porém, não esqueça que a função do homem é perdoar, a de Deus é julgar.

6ª Ordem –  6º Raio: “E não nos deixeis cair em tentação”.

Este é o Raio de Jesus, que foi o Mestre da Era dos Peixes.

A Era de Peixes está terminando e a Era de Aquários está começando. Não existe um dia marcado para o final de uma Era e o início de outra. Porém, vivemos os extertores da morte de uma e sentimos as dores do nascimento da outra.

Este ciclo doloroso, chamado kali yuga (ciclo de trevas) pode passar mais rápido e ser suavizado com invocações à Chama Violeta e orando o Pai-Nosso. Jesus foi o Avatar da Era de Peixes e Ele foi, também, Senhor do 6º Raio, o Raio do Serviço e Ministério que é também o Raio da Paz, de cor púrpura e dourado.

Este Raio ensina a servir a Deus e à humanidade. E isso é possível quando o indivíduo mantém harmonia no ser e paz no coração. Mantém sua atenção no guru interior que é o Santo Cristo Pessoal de cada um. Este Mediador sabe exatamente o que é certo, é a voz da consciência que avisa continuamente, através da intuição.

Para caminhar na senda iniciática, o estudante deve estar consciente de sua verdadeira realidade e procurar passar os testes e servir a Luz. A tentação é para desviá-lo do seu caminho e fazê-lo esquecer sua real individualidade.

A tentação quer trazer o ser para a superficialidade, a personalidade, o ego humano. E os maus hábitos são os piores inimigos que devem ser desafiados um a um. Os estudantes da luz são também tentados a assumir personalidade e maneira de ser dos outros. A Senda da Ascensão é um caminho um tanto isolado em freqüência vibratória. Quanto mais o indivíduo sobe a montanha, menos gente ele encontra.

Portanto, “Não nos deixeis cair em tentação” é a ordem dada à energia para o selar do ser no único caminho da salvação (auto elevação), o caminho da Cristicidade.

7ª Ordem – 7º Raio: “Livrai-nos de todo o mal, porquê Teu é o Reino, o Poder e a Glória”.

Saint Germain é Avatar da Era de Aquários, que vem trazendo para a humanidade a magnífica dádiva da Chama Violeta e, com isso, fazendo uma Revolução na mais alta consciência. O capítulo 10 do Apocalipse refere-se a Saint Germain como o 7º Anjo que vem para desvendar todos os mistérios.

Com o Raio da Liberdade, esta Era traz para a Terra um longo período de paz, justiça, amor e sabedoria. O ciclo que ainda vivenciamos de kali yuga (ciclo de trevas) poderá passar mais rápido e menos doloroso, se houver mais pessoas entoando os mantras da Chama Violeta.

Esta é uma referência à Trindade. Poder, sabedoria e Amor. Onipotência, Onipresença e Onisciência.

Livrai-nos de todo o mal, da maldade, da violência, dos acidentes, do carma negativo que liberamos e está retornando; livrai-nos da inveja, do ódio, do ciúme, livrai-nos do veneno do orgulho, da crítica, dos maus pensamentos, de todos os nossos vícios e maus hábitos.

Nós queremos ser libertados de tudo isso, da ignorância e das trevas. Nós queremos  luz, sabedoria e amor. Nós queremos refletir aqui em baixo a Luz que vem do alto. Nós queremos ser o reflexo do Amor, Poder e Sabedoria de Deus, para iluminar nossa consciência e de outros, para que a Glória de Deus seja manifestada aqui na Terra.

Apocalipse 11, 15 “Os reinos do mundo vieram a ser do Nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre”.

Apocalipse 12, 10 “Agora é chegada a salvação e a força e o Reino do nosso Deus e o poder do seu Cristo. Porque já o acusador dos nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.

O PAI-NOSSO DO EU SOU

Pai nosso que estais no Céu,
Santificado seja o Vosso nome EU SOU.

EU SOU o Vosso Reino manifestado
EU SOU a Vossa Vontade que está sendo cumprida
EU SOU na Terra assim como EU SOU no Céu

A todos eu dou hoje o pão de cada dia
Eu perdoo neste dia a toda a Vida
E EU SOU também o perdão que ela me estende

Eu afasto todo homem das tentações
Eu liberto todo homem de qualquer situação nefasta

EU SOU o Reino
EU SOU o Poder e
EU SOU a Glória de Deus em manifestação eterna e imortal —
Tudo isto EU SOU.

Amém

Aula sobre o Pai Nosso, da Mensageira e Guru, Elizabeth Clare Prophet

 

 

O Poder Mágico da Persistência

As coisas na minha vida raramente aconteceram de uma hora pra outra. As mudanças que sempre quis fazer para melhor, normalmente levaram um certo tempo pra acontecer. Os sentimentos, emoções, crenças limitantes que atrapalham a minha vida pessoal, os relacionamentos e a vida profissional, demandaram, e ainda demandam, investigação e muito trabalho de autoconhecimento e liberação para provocar mudanças práticas na minha vida.

Mas, uma das coisas que certamente têm feito muita diferença na minha vida é a persistência. Vou explicar melhor por que.

Em uma determinada época da minha vida, passei por tantos problemas profissionais e financeiros que desenvolvi um estado de pessimismo e depressão bem intensos, pois tudo dava errado e as coisas ficavam cada vez piores. E foi justamente por isso que eu comecei a buscar autoconhecimento, coisa que nunca tinha feito antes. Creio que é assim que a maioria de nós entra nesse caminho de busca interior, empurrados pelos sofrimento.

Na ânsia de sair do estado emocional que eu me encontrava, buscava intensamente tudo que pudesse me ajudar. Eu ficava aqui no site http://www.stum.com.br lendo textos por horas. Eu comprava livros e mais livros de autoajuda. Fiz curso de florais de Bach. Iniciei-me no Reiki e fiz todos os níveis. Depois me iniciei no Karuna Reiki. Fui conhecer filosofias espiritualistas. Passei um período na igreja Messiânica que é de origem japonesa (tornei-me membro por um tempo). Já fui na Seicho-No-Ie para conhecer. Frequentei centro espírita algumas vezes (li vários livros dessa filosofia). Comecei a praticar Meditação Transcendental. Conheci rapidamente a Sahaja Yoga. Comprei CDs de afirmações positivas. Ia no homeopata uma vez por mês. Passei por trabalhos terapêuticos de diferentes linhas: psicoterapia, TVP, Reiki, florais, massagem, constelação familiar, frequência de luz, vibração védica, pancha karma, terapia do perdão, reprogramação de arquétipos e etc..

Como naquela época, a questão financeira estava péssima, eu buscava as coisas que eram mais baratas ou de graça, como os livros, as leituras online e as práticas que eu podia fazer nas filosofias espiritualistas e em casa. Esforçava-me e juntava dinheiro para conseguir ter acesso aos trabalhos pagos, e acabei passando por vários deles.

Eu fazia tudo o que estava ao meu alcance, e foi essa enorme persistência que fez total diferença na minha vida e provocou grandes mudanças. Às vezes, a gente pode até dar sorte de se afinar rapidamente com algum caminho que nos traga resultados rápidos, sem precisar ficar buscando um monte de coisas. Mas esse definitivamente não foi o meu caso, e acredito que não é o caso da maioria.

O que vejo em muitas pessoas que estão sofrendo é um padrão de desistência rápido ou um padrão de não tentar. Por trás, tem um medo de fazer algo e não ter resultados e assim sentir que perderam tempo. E se for pra investir financeiramente, então… Existe um medo grande de pagar por um trabalho e não ter resultado, e sentir que se gastou em vão ou que foi enganado por alguém.

Posso dizer que já fiz vários trabalhos pagos que não me trouxeram bons resultados. Já comprei livros que não foram interessantes. E já comprei material de autoajuda que também não me acrescentou muito. Entretanto, não me arrependo de ter arriscado e investido. Sou muito grato por ter conhecido cada um deles. Pois foi através dessas inúmeras tentativas que fui achando o que funciona pra mim e o que não funciona. Com essa experiência, hoje eu consigo escolher melhor e acertar mais os trabalhos que serão bons pra mim. Além disso, mesmo em materiais e trabalhos que não foram lá tão bons, já tive a grata surpresa de aprender alguma coisa pontual que acabou me trazendo grandes benefícios. Às vezes, um único insight que temos pode provocar mudanças muito importantes. E isso tem mais chances de acontecer com quem se mantém no caminho buscando, constantemente, sem medo de tentar.

A persistência é fundamental para que se consiga bons resultados quando eles não vieram a curto prazo. Quando eu comecei a praticar afirmações positivas, eu fiz isso por muitos meses. Quando comecei a receber Reiki terapeuticamente, eu recebi por 4 anos consecutivos, toda semana. Quando eu comecei a tomar florais, foram meses e meses tomando. De vez em quando ainda volto a tomar.

E mesmo hoje, já tendo melhorado bastante e não tendo mais aquele sofrimento enorme de antes me empurrando, eu me mantenho na busca constante e persistente. Sempre lendo algum livro de autoconhecimento e/ou recebendo algum trabalho terapêutico toda semana. Isso é sagrado pra mim. E felizmente hoje ficou mais fácil por que eu posso pagar e escolher o que eu quero! Mas só chegou nesse ponto devido a toda persistência inicial que foi o que me fez melhorar em tudo, inclusive, na parte profissional.

E é interessante quando leio sobre a vida de pessoas de sucesso em qualquer área e constato que, na vasta maioria dos casos, são pessoas que tiveram muita persistência e assim conseguiram superar os desafios. É incrível isso. A gente vê a pessoa lá bem-sucedida e até parece que ela nasceu daquele jeito, que foi algo mágico. Quando vamos em busca dos detalhes, tem sempre uma história de muitos fracassos antes de conseguir o resultado.

Por isso eu creio que a diferença entre os que conseguem e os que não conseguem é, na maioria das vezes, a questão da persistência. Os que atingem resultados são os ex-fracassados que nunca desistiram. E os fracassados são os potenciais vencedores que desistiram antes de acabar a corrida.

Foi através dessa persistência que o meu trabalho como terapeuta e palestrante cresceu bastante. Toda semana escrevendo textos (hoje já somam 226); sempre criando novos cursos; testando, inovando, recriando, constantemente.

Por trás da questão de ser ou não persistente existem muitos fatores inconscientes. O fato de não ser persistente indica a existência de processos inconscientes de autossabotagem. E algumas pessoas têm esses processos mais intensos do que outras. Mas esse tema é muito vasto para ser explicado agora.

De todos os caminhos que eu percorri (e foram muitos!), o trabalho com a *EFT (técnica para autolimpeza emocional, vej acomo receber um manual gratuito no final do artigo)é certamente o que de longe tem produzido resultados mais profundos, rápidos e duradouros. É o que tenho testemunhando na vida de muitos. A maioria das pessoas quando conhece a EFT sente que era a peça que faltava, o atalho que nunca haviam encontrado antes. Eu ouço esse tipo de relato mesmo vindo de pessoas que já estão nesse caminho de autoconhecimento há muito tempo.

Agora eu peço que você deixe seu comentário aqui em baixo! Como é pra você esse tema? Você é uma pessoa persistente? Em que áreas você é, em que outras você não é? Vou ler cada um deles!

André Lima – EFT Practitioner

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s