raiva

AS CINCO REGRAS DA RAIVA

Uma funcionária sofria muitas vezes com o nervosismo do seu chefe. Ao menor erro cometido, seu chefe se irritava e soltava altos brados contra ela.

O temperamento da moça também não era fácil. Assim que ela ouvia os gritos do chefe, ela berrava de volta e ambos acabavam sempre vivendo dentro desse clima de tensão e raiva no trabalho. Por ser ela funcionária pública efetiva, não podia ser demitida pelo chefe.

Certo dia, a moça se cansou de tudo isso, chorou muito e desejou parar de viver esse inferno. Uma colega de trabalho, vendo seu desespero, foi consolá-la. A moça disse:

– Não aguento mais viver assim. Ele sempre me ofende na frente dos outros, e eu não aguento e acabo gritando de volta. Mas tudo isso está me fazendo muito mal. Não sei mais o que fazer para não sofrer com isso.

– Posso te dar uma palavra sobre essa situação? Perguntou a colega de trabalho.

– Sim, claro. Já cheguei ao meu limite e quero que isso pare. – disse a moça.

– Meu avô me ensinava, desde a infância, o que ele chamava de as “Cinco regras da raiva”. E essas cinco regras servem para quase todos os casos parecidos com o seu.

– Cinco regras? Perguntou a moça. – Que regras seriam essas?

A colega respondeu: – Preste atenção, pois você pode levar isso para toda a sua vida, assim como eu levei.

A primeira regra é bem simples e ela diz o seguinte: “A RAIVA BLOQUEIA TEU RACIOCÍNIO”.

Isso significa que os momentos em que explodimos de raiva são os piores para se tomar decisões, posto que as fortes emoções restringem nossa razão e nosso pensamento. Sempre que você fica com raiva e explode em intenso fervor emocional, você pode fazer escolhas que depois farão você se arrepender, e que podem até te prejudicar.

Muitas vezes, tomados que estamos pela fúria, escolhemos, dizemos ou fazemos coisas que depois, na tranquilidade, pensamos “se estivesse calmo, não faria aquilo”. A trajetória de uma vida inteira pode ser modificada e destruída em apenas alguns minutos de ira.

A moça ouvia atentamente…

– A segunda regra diz o seguinte: “QUEM ESTÁ NERVOSO MUITAS VEZES DESEJA QUE OUTROS FIQUEM COMO ELE”.

Ou seja, todos aqueles que estão num estado de tensão, nervosismo, e que vivem nas trevas da raiva e irritação compulsiva, desejam que outras pessoas compartilhem do mesmo sentimento e descontrole. Quem está na escuridão quer que todos estejam na escuridão, pois assim eles sentem que há muitas pessoas como ele, e não se sentem tão mal, caso fossem os únicos.

Apagar a luz dos outros é a melhor maneira de não enxergar sua própria escuridão. Em outras palavras, quem está na lama, quase sempre quer trazer os outros para a lama, pois assim eles têm “companhia”. O raivoso deseja ter alguém com quem compartilhar sua raiva, pois a raiva sozinha perde seu “combustível”, e muito frequentemente se transforma em depressão.

Toda raiva não compartilhada com outros acaba tornando o raivoso depressivo, com sentimentos de carência e vazio.

– E a terceira regra? Perguntou a moça, agora bem mais interessada.

– A terceira regra é a seguinte: “NÃO DÊ PODER A QUEM NÃO TEM”. 

Quando você se deixa levar pelos berros e deixa a raiva te dominar, você está dando poder àquela pessoa e permitindo a ela te desestabilizar. Mas esse poder de desorganização emocional é a própria pessoa que confere ao outro.

No momento em que você para de dar poder a quem não tem poder, você não mais se envolve pelas ofensas e agressões alheias, e passa a ser mais neutro e menos vulnerável.

– A quarta regra diz algo muito importante: “A RAIVA PREJUDICA A NÓS MESMOS, E NÃO AO OUTRO”.

Há uma máxima de sabedoria que diz o seguinte: “Ficar com raiva de outrem é o mesmo que tomar veneno e esperar que o outro morra”. O maior prejudicado com os acessos de raiva ou com a raiva prolongada, somos nós mesmos. A ira pode gerar doenças emocionais e até físicas, em casos extremos, pode instalar quadros depressivos numa pessoa.

A raiva contida é ainda mais prejudicial, pois vai aos poucos minando as nossas estruturas psicológicas. Portanto, tua raiva não prejudica o outro, ela afeta, em primeiro lugar, o próprio raivoso.

– E por fim, a quinta regra também é simples, mas pode parecer difícil de ser aplicada para algumas pessoas: “NÃO RESPONDA A UMA OFENSA, APENAS SILENCIE”.

Quando, por exemplo, algum parente está envolto pela ira e começa a agredir a todos, a melhor resposta é o silêncio.

Por que o silêncio? Pois é apenas no silêncio que aquela pessoa conseguirá ouvir a si mesma.

Ela passará a ouvir seus próprios gritos, suas ofensas, suas agressões e terá a chance de se perceber, se sentir e se tocar do mal que está emanando.

A quinta regra diz: apenas silencie e deixe a pessoa ouvir a si mesma. No momento em que não correspondemos a raiva, a pessoa perde sua energia, fica sozinha e passa a perceber a si mesma, e assim, ela pode enxergar-se como é. Dessa forma, a chance dela se ver e procurar se modificar é bem maior.

Após ouvir estas explicações, a moça sentiu uma grande transformação interior, e não se deixou mais levar pela raiva.

Autor desconhecido.

 

 

Tempo

Imagine que você tenha uma conta corrente e a cada manhã você acorda com um saldo de $ 86.400,00.

Só que não é permitido transferir o saldo para o dia seguinte.

Todas as noites o seu saldo é zerado, mesmo que você não tenha conseguido gastá-lo durante o dia.

O que você faz?

Você iria gastar cada centavo, não é mesmo?

Todos nós somos clientes deste banco.

E o crédito que recebemos chama-se TEMPO.

Em todas as manhãs, é creditado para cada pessoa 86.400 segundos.

Todas as noites o saldo não usado é debitado como perda.

Não é permitido acumular este saldo para o dia seguinte.

Todas as manhãs a sua conta é reinicializada, e todas as noites as sobras do dia se evaporam.

Sem volta!

Você precisa gastar bem o seu depósito diário.

De preferência no presente.

O relógio esta correndo.

Faça o melhor pelo seu dia-a-dia.

Use bem o seu tempo.

Porque para compreender o valor de 1 ano, pergunte a um estudante reprovado no exame final.

Porque para compreender o valor de 1 mês, pergunte a uma mãe que deu à luz um bebê prematuro.

Porque para compreender o valor de 1 semana, pergunte ao editor de uma revista semanal.

Porque para compreender o valor de 1 hora, pergunte aos amantes à espera do primeiro encontro.

Porque para compreender o valor de 1 minuto, pergunte a quem acaba de perder o trem, o ônibus ou o avião.

Porque para compreender o valor de 1 segundo, pergunte a quem acaba de escapar de um acidente.

Porque para compreender o valor de 1 milésimo de segundo, pergunte a quem ganhou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos.

Valorize cada momento que você tem!

Lembre-se, o tempo não espera por ninguém.

O ontem é história.

O amanhã é um mistério.

O hoje é uma dádiva.

www.planetamais.com.br

Por um Mundo Melhor!

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s